Home Portal Notícias Lula Livre Interpol escancara parcialidade de Moro e petistas reforçam pedido de libertação de Lula

Interpol escancara parcialidade de Moro e petistas reforçam pedido de libertação de Lula

8 min read
2

Deputados federais do PT reforçaram o pedido de libertação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva depois que a própria Interpol, organização internacional que ajuda na cooperação entre polícias de diferentes países, constatou que o juiz Sérgio Moro é parcial, desobedece a Constituição brasileira e a Declaração Internacional dos Direitos Humanos.

O deputado Paulo Lula Teixeira (PT-SP) lembrou que no sábado passado (4) a Interpol retirou da lista de procurados internacionais o advogado Rodrigo Tacla Durán em razão da parcialidade de Moro, que condenou Lula sem provas no processo do tríplex em Guarujá (SP).

“Se a própria Interpol tirou o Tacla Durán da sua lista pela parcialidade do Moro, por que a Justiça brasileira não tira Lula da cadeia pelo mesmo motivo?”, questionou o parlamentar.

Para o líder do PT na Câmara, deputado Paulo Lula Pimenta (RS), a decisão da Interpol mostra a necessidade de libertação de Lula o mais rapidamente possível. “Foram constatadas a parcialidade e uma série de ilegalidades e arbitrariedades cometidas por Sérgio Moro, que será processado por isso. Mais dia menos dia, Moro e os Golden Boys da #LavaToga serão desmascarados”, disse Pimenta. No Twitter, Pimenta também ironizou o juiz de Curitiba ao dizer que ele integra uma nova lista da Interpol. “O tiro contra Tacla Durán saiu pela culatra: Sergio Moro é o primeiro nome na ‘lista’ da Interpol de JUÍZES PARCIAIS”, publicou o parlamentar gaúcho.

Fora da lei – Para o deputado Wadih Lula Damous (PT-RJ), a constatação da Interpol confirma que “Moro é um juiz fora da lei”. O parlamentar observou que a Interpol apenas ratificou o que renomados juristas brasileiros independentes têm afirmado há tempos: “Moro é parcial e persegue o ex-presidente Lula e outras pessoas, como Tacla Durán”.

Wadih perguntou por que Moro e os procuradores da Lava Jato fogem de um depoimento de Tacla Durán sobre um verdadeiro esquema de venda de facilidades relacionadas a delações no âmbito da Lava Jato. “Eles tem medo de quê?”

Tacla Durán trabalhou para a Odebrecht de 2011 a 2016 e vive atualmente na Espanha. Durán acusa o advogado trabalhista Carlos Zucolotto Junior, amigo e padrinho de casamento do juiz Sergio Moro, de intermediar negociações paralelas sobre delações envolvendo o magistrado e a força-tarefa do Ministério Público. Ele tem cidadania espanhola e sua extradição, pedida por Moro, foi rejeitada pelo governo da Espanha.

Em depoimento por videoconferência prestado em junho à Comissão de Direitos Humanos da Câmara, Tacla Durán declarou que todos precisam conhecer o lado obscuro de Moro. O advogado apontou que o cerceamento ao direito de defesa é um dos métodos do magistrado. “Moro emite opinião contra réu. Isso é pré-julgamento que viola um princípio básico de direitos humanos, pois os julgamentos precisam ser técnicos, isentos e imparciais”, disse Tacla Durán.

Moro negou quatro vezes pedidos para que Tacla Durán fosse ouvido como testemunha do ex-presidente Lula.

Constituição – Em comunicado, a Interpol considerou que o comportamento de Moro levantou dúvidas sobre o caso de Durán pela violação do Artigo 2 da Constituição brasileira. O artigo fala sobre a necessidade de respeito à Declaração Universal de Direitos Humanos para a colaboração entre as polícias dos diferentes países, mas, de acordo com a Interpol, a ação de Moro desrespeita os direitos de Durán.

O advogado que representou Rodrigo Tacla Durán no Comitê de Controle de Arquivos da Interpol, Sebastian Suarez, informou à Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados que vai denunciar o Brasil na Corte Interamericana de Direitos Humanos da OEA, com base no pacto de San José, que trata, entre outros direitos essenciais da pessoa, o de ter garantias judiciais. O objetivo é que o Estado brasileiro sofra sanções em razão da violação da Declaração Universal dos Direitos Humanos praticada pelo juiz Sérgio Moro e convalidada pelo Tribunal Regional Federal da 4a. Região.

Leia mais: Máfia das delações: Tacla Durán denuncia esquema criminoso na Lava Jato

PT exige investigações acerca do que diz Tacla Durán sobre o subterrâneo da Lava Jato

Tacla Durán: “O que tenho a dizer desmonta a tese da Lava Jato”

PT na Câmara com blogs de esquerda 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Petistas denunciam perseguição do MPF ao jornalista Glenn Greenwald, que revelou os crimes da Lava Jato

Parlamentares da Bancada do PT na Câmara usaram suas redes sociais nessa terça-feira (21) …