Home Portal Notícias Artigos Congresso precisa votar repasses bilionários a estados prejudicados com Lei Kandir, cobra Paulo Pimenta

Congresso precisa votar repasses bilionários a estados prejudicados com Lei Kandir, cobra Paulo Pimenta

8 min read
0

Em artigo, o líder do PT na Câmara, deputado Paulo Lula Pimenta (RS), destaca a urgência de o Parlamento brasileiro editar lei complementar regulamentando os repasses da União para estados e municípios com o objetivo de compensar perdas decorrentes da desoneração do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Os valores devidos a partir de perdas acumuladas com a edição da Lei Kandir, em 1996, chegam a R$ 548,7 bilhões.

Durante 20 anos, entre 1996 e 2016, alguns dos estados que mais acumularam perdas foram Minas Gerais (R$ 88,1 bilhões); Rio Grande do Sul (R$ 50,1 bilhões) e Pará (R$ 32,5 bilhões). Pimenta já requereu ao presidente da Casa, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), a inclusão do Projeto de Lei Complementar 511/18 na pauta do plenário, que estabelece as compensações.

“Para o Rio Grande do Sul, é a oportunidade de colocarmos nosso estado nos trilhos. Garantir que salários do funcionalismo sejam pagos em dia e as políticas públicas sejam implementadas em áreas como educação e segurança sem interrupção, afastando as dificuldades enfrentadas pelos gaúchos no dia a dia”, detalha Paulo Pimenta.

Um projeto crucial para o Rio Grande do Sul

 

Paulo Pimenta (*)

Há uma tarefa urgente para o Congresso Nacional que é de vital importância para o Rio Grande do Sul: editar lei complementar regulamentando os repasses da União para estados e municípios com o objetivo de compensar perdas decorrentes da desoneração do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), a chamada Lei Kandir. Editada em 1996, essa lei provocou perdas que chegam a R$ 548,7 bilhões, dos quais R$ 50,1 bilhões para o nosso estado.

A mudança já foi aprovada por Comissões Mistas da Câmara e do Senado, mas falta a aprovação pelos plenários de ambas as Casas. Só para o Rio Grande do Sul a mudança vai garantir um repasse inicial de R$ 4 bilhões anuais. A matéria é de importância estratégica e, por isso, a Bancada do PT na Câmara a elegeu como tema prioritário para os trabalhos legislativos deste semestre.

Já requeri ao presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), a inclusão do Projeto de Lei Complementar 511/18 (PLP 511/18) na pauta do plenário. A ideia é também apresentar requerimento para que o PLP tramite na Casa em regime de urgência. Vamos fazer todo o esforço para aprovar essa proposta o mais rapidamente possível e garantir a devida compensação a estados e municípios que perderam receita ao longo de vários anos com a desoneração do ICMS.

Para o Rio Grande do Sul, é a oportunidade de colocarmos nosso estado nos trilhos. Garantir que salários do funcionalismo sejam pagos em dia e as políticas públicas sejam implementadas em áreas como educação e segurança sem interrupção, afastando as dificuldades enfrentadas pelos gaúchos no dia a dia. Trata-se de uma saída que contrasta com o modelo ortodoxo e neoliberal de Michel Temer e do governador José Ivo Sartori de vender patrimônio público a preço da banana, o que não resolve o problema da dívida do estado.

Os cálculos do Comitê dos Secretários de Fazenda dos Estados e do Distrito Federal (Comsefaz) revelam que em 20 anos o Rio Grande do Sul foi um dos estados que mais perdeu. A proposta em análise no Congresso determina o repasse anual de R$ 39 bilhões, com valores diferenciados nos dois primeiros anos, e foi uma resposta contrária a uma sugestão do governo, que havia apontado um valor dez vezes menor. Segundo o projeto, haverá um período de transição com pagamentos específicos para os anos de 2019 e 2020, sempre corrigidos pelo IPCA. O valor total deverá ser pago no prazo máximo 30 anos.

A atual proposta que tramita na Câmara atende à decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que, em 30 de novembro de 2016, julgou procedente Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão (ADO) e fixou prazo de doze meses para que o Congresso Nacional regulamente os referidos repasses. Como a súmula da decisão só foi publicada em agosto de 2017, o Congresso Nacional estabeleceu o mês de agosto de 2018 como prazo limite para aprovar a regulamentação dos repasses.

A hora é agora. Entidades sindicais, empresariais e outros segmentos da sociedade gaúcha, independentemente de cor partidária, precisam se mobilizar para pressionar o Congresso a aprovar a matéria.

(*) Paulo Pimenta (PT-RS) é deputado federal e líder do PT na Câmara dos Deputados

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

No governo de Bolsonaro, EUA acima de tudo

Em artigo publicado no jornal Gazeta do Povo, na quinta-feira (14), o deputado Zeca Dirceu…