Home Portal Notícias Lula Livre Militantes iniciam greve de fome nesta terça-feira pela libertação de Lula

Militantes iniciam greve de fome nesta terça-feira pela libertação de Lula

8 min read
0

Em nome da libertação do ex-presidente Lula, preso político há mais de 100 dias em Curitiba, seis militantes de movimentos sociais, ligados à Via Campesina, iniciam amanhã (31), às 16 h, uma greve de fome por tempo indeterminado. O anúncio foi feito em coletiva de imprensa nesta segunda-feira (30), em Brasília. “Temos data para começar, mas quem vai dizer quando encerramos são os ministros do Supremo Tribunal Federal”, afirmou o frei Sérgio Görjen, do Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA). Ele é um dos integrantes do grupo que deixará de comer em nome da libertação de Lula e para que milhares de brasileiros não voltem a passar fome.

João Pedro Stédile, da coordenação nacional do Movimento dos Sem Terra (MST), afirmou durante a coletiva que o caminho legal para o fim da greve de fome é a presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, “respeitar” a Constituição. “Ela foi indicada para respeitar a Constituição. Tem dois recursos aguardando julgamento – um ADC do PCdoB, que consulta se uma pessoa pode ser presa antes do julgamento de todos recursos; e um outro recurso da OAB, sobre validade da presunção de inocência até o julgamento da última instância. Basta colocar os recursos em plenário para acabar com a greve”, afirmou.

Stédile enfatizou que a Constituição garante a qualquer brasileiro o direito de permanecer em liberdade até o julgamento. “Mas para Lula isso não foi respeitado”, criticou. Ele ainda lembrou que por conta do habeas corpus anteriormente negado a Lula, o voto “confuso da ministra Rosa Weber, levou ao encarceramento 13 mil pessoas só em São Paulo, que esperavam em liberdade o julgamento em última instância”.

Além de Frei Sérgio, estarão em greve de fome Jaime Amorim, do MST de Pernambuco; Vilmar Pacífico, do MST do Paraná; Zonália Santos, do MST de Rondônia; Luiz Gonzaga Silva, o Gegê, da Central dos Movimentos Populares de São Paulo; e Rafaela Alves, do MPA de Sergipe. Nesse início de greve, o grupo irá todos os dias ao STF, onde será montada uma tenda de apoio no estacionamento, mas ficará também alojado no Centro Cultural de Brasília, na 601 norte.

Responsabilidade – Os seis grevistas afirmaram que a decisão de cada um foi consciente, livre e espontânea. “A nossa greve de fome, como ato extremo, é contra o caos do País e para evitar que esse modelo de exclusão continue”, afirmou Frei Sérgio. Ele disse ainda que a responsabilidade por qualquer dano que venha a acontecer com qualquer um dos grevistas será de Sergio Moro e dos desembargadores do TRF-4, que condenaram Lula sem crime e sem prova.

“A responsabilidade será também da ministra Cármen Lúcia e dos ministros Edson Fachim, Luiz Fux, Rosa Weber, Luiz Roberto Barroso e Alexandre Moraes, que votaram contra o habeas corpus que questionava o cumprimento de pena imediatamente após a condenação em segunda instância.

Atividades – A greve de fome faz parte de uma série de atividades que serão realizadas até o dia 15 de agosto, quando será registrada a candidatura de Lula à Presidência da República, pelo PT. João Pedro Stédile informou que nos dias 4 e 5 de agosto chegará a Brasília a caravana contra a fome, que saiu de Caetés (PE) na última sexta-feira (27) e vai percorrer 2 mil quilômetros por cidades do semiárido nordestino e de Minas Gerais, denunciando o desmanche das políticas públicas. Ainda no dia 4 de agosto igrejas estão organizando o dia de jejum das famílias, com a distribuição de alimentos para a população que já está passando fome.

Também chegarão a Brasília no dia 6 de agosto trabalhadores das distribuidoras de energia que acompanharão no STF o julgamento de ação contra a privatização da Chesf (Companhia Hidro Elétrica do São Francisco). No dia 9 de agosto, a concentração na Suprema Corte é para acompanhar o julgamento de recurso sobre o uso de animais em cerimônia religiosa. Às 18h, haverá alto inter-religioso em solidariedade às religiões afrodescendentes.

No dia 10 de agosto, está marcada a paralisação nacional das centrais sindicais em defesa dos direitos trabalhadores, pela libertação do ex-presidente Lula e pelo direito de Lula ser candidato.

Stédile explicou ainda que haverá três marchas chegando a Brasília a partir do dia 13 de agosto. “Todas essas atividades culminarão em uma grande manifestação popular na capital federal no dia 15 de agosto, para acompanhar o registro da candidatura Lula Presidente”, afirmou.

Vânia Rodrigues

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Petistas defendem taxação dos mais ricos para evitar injustiças contra os mais pobres na Reforma da Previdência

No segundo dia de debates do parecer final da Comissão Especial da Reforma da Previdência …