Home Portal Notícias Manchetes CUT: Eleição é a chance de derrotar o golpe pelo voto popular

CUT: Eleição é a chance de derrotar o golpe pelo voto popular

5 min read
0

A eleição deste ano é a oportunidade de anular as mazelas do governo ilegítimo de Temer, ressaltou o presidente nacional da CUT, Vagner Freitas, durante plenária interestadual (São Paulo/Rio de Janeiro) na sexta-feira (20), na quadra do Sindicato dos Bancários de São Paulo.

“Nós temos chance de reverter todas as mazelas que eles fizeram, inclusive a reforma trabalhista”, disse Vagner, para quem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é o único que reúne condições para esse tipo de medida. A central pretende levar milhares de trabalhadores e militantes até Brasília em 15 de agosto, quando a candidatura Lula deverá ser registrada formalmente.

“Agora é guerra”, acrescentou Vagner, criticando a postura do Judiciário em relação ao ex-presidente. “Não vai ser por medida judicial que eles vão soltar o Lula. Quem vai soltar é o movimento operário na rua”, afirmou. O líder cutista lembrou que em 10 de agosto as centrais sindicais vão promover o “dia do basta”, em protesto contra as medidas do governo Temer. A candidatura será registrada cinco dias depois. “Nós podemos vencer esse golpe vencendo as eleições em outubro. Essa é a derrota que podemos impor a eles.”

A presidenta nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), o vice do partido, Alexandre Padilha, e o senador Lindbergh Farias (PT-RJ) participaram da plenária, que teve ainda o vereador paulistano Eduardo Suplicy e dois ex-presidentes da CUT – o deputado Vicente Paulo da Silva, o Vicentinho, e Artur Henrique, atualmente na direção da Fundação Perseu Abramo. O ex-deputado Jilmar Tatto pediu esforço no sentido de buscar uma aliança ainda no primeiro turno envolvendo PT, Psol, PCdoB, PSB, PDT e PCO. “É perigoso estar dividido”, alertou.

Para o presidente da CUT do Rio, Marcelo Rodrigues, a eleição de nomes como João Doria e Marcelo Crivella nas prefeituras paulistana e carioca mostra “o quanto temos de discutir política na veia”, elegendo candidatos realmente identificados com os trabalhadores. “No dia 10 vamos para a rua e partir para dentro do golpismo”, avisou.

O presidente da CUT de São Paulo, Douglas Izzo, informou que foram organizados comitês Lula Livre em todas as regiões administrativas do estado. A eleição torna-se um momento decisivo, porque em caso de vitória conservadora “eles vão legitimar esse projeto, que é de entregar o Brasil, mexer nos direitos dos trabalhadores, de governo para 30% da população”.

No “dia do basta”, em 10 de agosto, as centrais farão paralisações e protestos em todo o país. Em São Paulo, haverá concentração a partir das 10h diante da sede da Federação das Indústrias do Estado (Fiesp), na Avenida Paulista.

 

Por Rede Brasil Atual

 

 

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Desmandos de Bolsonaro abreviam vida de 70 mil. País tem 1,8 milhão de infectados

Dizendo-se contaminado, Bolsonaro e sua omissão tornaram-se um símbolo vivo do caos e da d…