Home Portal Notícias Manchetes Política de preços da Petrobras afunda a economia no País

Política de preços da Petrobras afunda a economia no País

4 min read
0

A política insana de preços na Petrobras, que foi implantada por Pedro Parente e levou o Brasil à greve dos caminhoneiros (foto), fez com que a economia nacional encolhesse 3,34% em maio – um resultado desastroso. Parente caiu, mas sua política vem sendo mantida pelo governo Temer com a atuação do atual presidente da Petrobras, Ivan Monteiro. O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), espécie de sinalizador do Produto Interno Bruto (PIB), foi divulgado nesta segunda-feira (16) pelo BC. Segundo matéria da agência Reuters, a queda do IBC-Br derrubou ainda as projeções de crescimento da economia.

Segundo pesquisa Focus do Banco Central, também divulgada nesta segunda-feira, agora a previsão de expansão do Produto Interno Bruto (PIB) em 2018 é de 1,5%, sobre 1,53% na leitura anterior. O patamar é muito inferior as projeções de 3% feitas pelo mercado, antes da greve dos caminhoneiros e da queda na confiança dos agentes econômicos. Para o ano que vem, a conta segue de crescimento de 2,50% do PIB.

Esse desempenho corrobora a leitura de grande parte dos agentes de uma atividade bem mais fraca que a esperada este ano. O próprio Ministério da Fazenda, que também chegou a falar em crescimento de 3% neste ano, agora calcula expansão de 1,6%, mesmo cenário do Banco Central.

Já para a alta do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) – que mede a variação dos preços no comércio para o público final e é considerado o índice oficial de inflação do País -, a estimativa segundo a Focus caiu a 4,15% este ano, sobre 4,17% na semana anterior. Para 2019, a estimativa é de 4,10%.

O centro da meta de inflação para este ano é de 4,5% e para 2019 é de 4,25%, ambos com margem de 1,5 ponto percentual para mais ou menos.

Para o dólar, os especialistas consultados no levantamento semanal continuaram vendo a moeda a 3,70 reais neste ano. Para o ano que vem, contudo, a expectativa subiu a 3,68 reais, sobre 3,60 reais anteriormente.

Juros– As expectativas para a taxa básica de juros (Selic) não sofreram alterações. A visão dos economistas é de que a Selic terminará este ano a 6,5% e em 2019 a 8%.

O Top-5, o grupo que reúne os que mais acertam as previsões, também manteve as contas de taxa básica de juros a 6,5% ao fim de 2018 e 7,75% ao fim de 2019, pela mediana de médio prazo.

Reuters e Brasil 247

 

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Bolsonaro mente ao dizer que nada pode fazer se salário mínimo está baixo

Em mais um desatino mostrando que nada entende de economia, o presidente da República, Jai…