Home Portal Notícias “Ministério público virou abrigo da extrema-direita, uma verdadeira Gestapo”, critica Wadih Damous

“Ministério público virou abrigo da extrema-direita, uma verdadeira Gestapo”, critica Wadih Damous

4 min read
0

O deputado Wadih Damous (PT-RJ) usou a tribuna da Câmara para denunciar e confrontar mais uma vez “a escalada de fascistização em curso” no sistema de Justiça brasileiro. O parlamentar criticou duramente a investigação aberta contra o desembargador federal Rogério Favreto pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, anunciada nesta quarta-feira (11).

“O Ministério Público, que já foi uma instituição gloriosa em nosso País, hoje está se tornando abrigo de rapazes de extrema-direita, de uma verdadeira Gestapo. E a chefe dessa Gestapo é a senhora procuradora-geral da República Raquel Dodge. É a Gestapo. E a Gestapo tem que ser enfrentada com as armas da democracia”, denunciou Damous.

De acordo com o deputado do Rio de Janeiro, a investigação aberta pela PGR é “uma tentativa de intimidação contra todos juízes que ousarem se levantar contra a República de Curitiba”. No domingo, Favreto acatou o pedido de habeas corpus protocolado por Damous e os deputados Paulo Teixeira (PT-SP) e Paulo Pimenta (PT-RS), líder do PT na Câmara, mas a ordem judicial não foi cumprida graças a um conluio envolvendo o juiz Sérgio Moro, a Polícia Federal e os desembargadores Gebran Neto e Thompson Flores, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região.

“Obviamente, se a decisão de Favreto fosse desfavorável ao ex-presidente Lula, ela [Raquel Dodge] não estaria representando contra ele”, destacou Damous.

Para o petista, a medida contra Favreto “é a subjetividade fascista do Ministério Público levada às últimas consequências” e nenhuma autoridade no Judiciário pode decidir a favor do presidente Lula. “Essa é a ordem do Estado fascista. Essa é a ordem do Estado policial. Isso é inaceitável”, protestou.

Segundo Damous, Lula é “o único homem capaz de enfrentar o Estado policial, enfrentar o Estado fascista e revogar todas essas medidas de exceção que o governo quadrilheiro de Michel Temer adotou ao longo desses dois anos” após o golpe que tirou do governo a presidenta Dilma Rousseff.

“Contra esse homem foi construído um ordenamento jurídico à parte. A favor dele não vale a Constituição. A favor dele não valem as leis. A favor dele não vale isenção e imparcialidade do poder Judiciário. Contra ele vale tudo. Contra ele vale a exceção. Contra ele vale a perseguição, vale a ilegalidade. Só o povo brasileiro para dar um basta nisso”, concluiu Damous.

Rogério Tomaz Jr.

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Trincheira de resistência dos movimentos sociais, Comissão de Direitos Humanos da Câmara completa 25 anos em 2020

Para celebrar os 25 anos de criação da Comissão de Direitos Humanos e Minorias, a Câmara d…