Home Portal Notícias Lula Livre Jungmann terá que explicar na Câmara suposta ordem para a PF do Paraná não soltar Lula

Jungmann terá que explicar na Câmara suposta ordem para a PF do Paraná não soltar Lula

6 min read
0

O festival de irregularidades que aconteceu no último domingo (8) para evitar o cumprimento de uma decisão judicial que garantia a libertação do ex-presidente Lula, será discutido na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara (CFFC), que aprovou nesta quarta-feira (11) convite ao ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, para prestar esclarecimentos sobre a suposta interferência dele no caso. A proposta de ouvir o ministro é do deputado Leo de Brito Lula (PT-AC), subscrita pelo deputado Jorge Solla (PT-BA).

Leo de Brito considerou que o descumprimento da ordem judicial e toda a sucessão de “erros orquestrados” é uma situação de extrema gravidade e que o Parlamento não pode ficar ao largo dessa discussão. Ele destacou a importância do ministro Jungmann prestar esclarecimento, lembrando que de acordo com o jornal Valor Econômico, o ministro teve intervenção nas irregularidades. Jungmann teria determinado à Polícia Federal do Paraná, por telefone, que o alvará de soltura de Lula não fosse cumprido.

Na avaliação do deputado Leo de Brito, foram cometidos, inclusive, crimes durante a sucessão de manobras para impedir o cumprimento da ordem judicial. “Foram cometidos crimes pelo juiz Sérgio Moro, pelo relator do processo, desembargador Gebran Neto, pelo presidente do Tribunal Regional Federal da quarta região (TRF-4), Thompson Flores, e pela própria autoridade policial ao não acatar a decisão do desembargador de plantão, Rogério Favreto”, reforçou.

Ainda para o deputado do PT do AC, no domingo, mesmo de férias em Portugal, o juiz Sérgio Moro deu uma prova cabal de que continua agindo fora da lei. “Ele [Moro] não tem nenhuma imparcialidade para tratar desse processo do presidente Lula. É um verdadeiro absurdo o que aconteceu! É uma demonstração clara de que o Moro já levou essa situação para o lado pessoal e que existe uma articulação entre ele e o desembargador Gebran contra o presidente Lula”, denunciou.

Leo de Brito acrescentou que repudia essa ação orquestrada e absolutamente voluntarista, para literalmente perseguir o presidente Lula e impedir sua candidatura.

Insanidade – O deputado Jorge Solla reiterou que o País vive uma situação absurda, a partir das manobras e irregularidades praticadas pelo juiz Sérgio Moro e por parte de desembargadores do TRF-4. “Não dá nem mais para chamar de insegurança jurídica. É a completa perda da capacidade da instituição de cumprir a sua função de preservar o aparato legislativo e o cumprimento das leis”, afirmou. Ele reforçou que ordem liminar se cumpre, mesmo não concordando e recorrendo pelos meios legais contra a decisão. “Mas nenhum desembargador, nenhum presidente de tribunal pode mandar descumprir uma ordem judicial. Isso é uma insanidade”, frisou.

Jorge Solla disse que a sucessão de irregularidades foi tão grande que chegou ao ponto do ministro de Segurança, que deveria por parte do Executivo assumir a responsabilidade de preservar o cumprimento da legislação e da ordem jurídica, divulgar em rede social como estava o quadro da disputa de decisões. “Foi a completa insubordinação da Polícia Federal, do Ministério da Segurança Pública, do juiz de primeira instância, do desembargador relator do processo e do presidente do TRF. Estão rasgando completamente o ordenamento jurídico desse País”, lamentou.

Então, continuou o deputado baiano, “é fundamental que o ministro Jungmann venha à Câmara e explique como a sua pasta conduziu essa situação”. A audiência pública ainda não tem data para acontecer, mas deverá ser marcada logo no retorno do recesso parlamentar.

 

Vânia Rodrigues

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

100 anos de Antônio Cândido, um intelectual que pensou o País

Nesta terça-feira (24) comemora-se os 100 anos de Antônio Cândido, o mais destacado crític…