Home Portal Notícias Lula Livre Wadih Damous afirma que juiz Moro “insuflou a desobediência judicial” no País

Wadih Damous afirma que juiz Moro “insuflou a desobediência judicial” no País

7 min read
0

Em discurso contundente na tribuna da Câmara nesta terça-feira (10), o deputado Wadih Lula Damous (PT-RJ) criticou a “anarquia que impera hoje no Poder Judiciário brasileiro e a subversão da ordem jurídica” e repudiou a atitude do juiz Sérgio Moro, que mesmo de férias em Portugal, manobrou e impediu no último domingo, o cumprimento de uma decisão judicial que garantia a liberdade do ex-presidente Lula. “Precisamos reconstruir o ordenamento jurídico brasileiro. Nós não podemos aceitar que segmentos do Ministério Público e do Poder Judiciário ajam como agentes de subversão da lei e da Constituição”, defendeu.

O deputado, que também é advogado do ex-presidente Lula e um dos autores do pedido de habeas corpus acatado pelo desembargador Rogério Favreto, do TRF-4, pediu que os parlamentares enfrentem esta questão de uma forma responsável e sem paixão política ou com oportunismo eleitoreiro. “O que aconteceu no domingo foi a subversão da hierarquia do Poder judiciário. O juiz Sérgio Moro não poderia se insubordinar contra a ordem judicial. Um juiz de primeira instância insuflou a desobediência judicial”, protestou.

Wadih Damous explicou que o poder Judiciário é hierarquizado em uma espécie de pirâmide, na qual os juízes de primeiro grau estão na base, em seguida vem os tribunais intermediários e no topo as cortes superiores. “Ora, se a base do sistema simplesmente diz que não vai obedecer às instâncias superiores, onde vamos parar? Isso quebra a lógica do Sistema de Justiça, vira anarquia, como de fato já virou aqui no Brasil”, lamentou. Ele alertou ainda que essa atitude é uma ameaça seríssima à democracia.

“Nós simplesmente desmantelamos as bases institucionais do Estado brasileiro. Isso é muito grave, por isso, peço aos parlamentares desta Casa, que vejam essa questão com cuidado, responsabilidade e racionalidade”, reforçou Damous. Ele ainda pediu para que se esqueçam o apreço ou desapreço por Lula, o apreço ou desapreço pela Operação Lava Jato e o apreço ou desapreço pelo desembargador Favreto. “Vamos nos ater a ordem jurídica, à racionalidade do Sistema de Justiça, que não pode ser subvertido como está acontecendo a partir de Curitiba”.

Wadih Damous foi enfático ao afirmar que o juiz Sérgio Moro não é dono da operação Lava Jato. “Moro não é o dono de nenhum setor do judiciário. Não é proprietário do corpo do ex-presidente Lula. Não é assim que as coisas funcionam. Nós temos que raciocinar de acordo com os ditames da Constituição, da Lei Orgânica da Magistratura. Caso contrário, é desobediência, é irracionalidade, é insubordinação”, reforçou.

Regras – Na avalição do deputado do PT do Rio, o episódio de domingo nos revelou algo muito grave: que existe um território no Sistema de Justiça brasileiro que é inexpugnável, que tem dono, que tem regras próprias que não dizem respeito à Constituição, não dizem respeito aos Códigos de Processo Civil e Penal. “E pior, isso a partir do próprio poder Judiciário. E nós vamos tolerar esse tipo de comportamento aqui nesta Casa?”, questionou.

Wadih Damous reforçou que processo não tem dono, que prisioneiro não tem dono e que o País tem que ser regido pelo seu ordenamento jurídico. “Como pode um juiz de primeiro grau, sem jurisdição, o chamado Sérgio Moro, e em agravante de férias, telefonar para a Polícia Federal insuflando a desobediência? E ainda dá um despacho, que eu não sei onde ele vai enfiar porque no processo não pode mais, já que o processo não está mais na sua jurisdição”, ironizou.

O deputado concluiu fazendo um apelo para que o Parlamento brasileiro enfrente essa situação e não aceite essa desobediência à ordem judicial.

Vânia Rodrigues

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Parlamentares do PT pedem que STF interrompa processo de privatização de refinarias da Petrobras

Parlamentares da Bancada do PT na Câmara defenderam pelas redes sociais nesta quinta-feira…