Home Portal Notícias Manchetes LDO de Temer promove sucateamento amplo, geral e irrestrito dos serviços públicos

LDO de Temer promove sucateamento amplo, geral e irrestrito dos serviços públicos

10 min read
0

O líder da Bancada do Partido dos Trabalhadores na Câmara, deputado Paulo Lula Pimenta (PT-RS) e o líder da Oposição, deputado José Lula Guimarães (PT-CE) debateram, nesta terça-feira (10), com representantes de centrais sindicais, estratégias para barrar a aprovação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). A proposta que deve ser analisada pelo Congresso Nacional, ainda nesta semana, veda, entre outros pontos, reajuste salarial e contratação de novos servidores públicos. A LDO prevê ainda, o corte de 10% das despesas com custeio, aquelas destinadas à manutenção das instituições públicas nas áreas de educação e saúde, por exemplo.

O líder Paulo Pimenta assegurou que serão esgotados todos os caminhos para que se chegue a um entendimento e se suprima o artigo 92º-A e o inciso III do artigo 15º, que tratam desses pontos que levam ao sucateamento dos serviços públicos. “Se não retirarem esses artigos, a LDO não será aprovada”, alertou o deputado.

O deputado José Guimarães disse que do jeito que está, a Lei de Diretrizes Orçamentárias não pode ser aprovada. “É o sucateamento amplo, geral e irrestrito dos serviços essenciais que são prestados à população como saúde, educação, segurança pública, ciência e tecnologia. Como é que vão funcionar os hospitais, as escolas?”, questionou. “Então, por esta razão nós temos que derrotá-la”, defendeu.

Guimarães garantiu que vai articular negociações junto aos interlocutores do governo para se chegar a um entendimento. O parlamentar lembrou que a radicalização em um assunto tão relevante, não é bom para o País. No entanto, afirmou o deputado, se o governo não recuar, a oposição não terá outro caminho a não ser aquele previsto regimentalmente, a obstrução.

“Nesse governo, é feito toda hora a desconstrução do serviço público. Por isso, estamos nesse novo enfrentamento. Se eles não quiserem o entendimento, nós iremos para obstrução. O PT governou esse País e nunca aprovamos LDO sem negociação. Sempre o diálogo prevalecia na análise da matéria na CMO [Comissão Mista de Orçamento] e no Plenário. Portanto, essa queda de braço vai prejudicar o País inteiro”, alertou Guimarães.

Na avaliação da vice-líder da Bancada do PT na Câmara, deputada Erika Lula Kokay (PT-DF) o entendimento é o caminho a ser seguido. “O PT e os partidos de Oposição estão unidos para impedir que esta crueldade seja impetrada contra o País porque isso significa retirar a possibilidade de termos professores, profissionais na saúde e na assistência, pois são esses que executam a política pública no seu dia a dia, e sem política pública nós não temos direitos assegurados”, ponderou.

Nota – Após a reunião, as centrais sindicais, federações e sindicatos apresentaram uma nota condenando a proposta de Lei de Diretrizes Orçamentárias apresentada pelo governo ilegítimo de Michel Temer.

 

VEJA A ÍNTEGRA DA NOTA

 

PROPOSTA DE ORÇAMENTO (LDO) PARA 2019, NA PRÁTICA, FECHA OS SERVIÇOS PÚBLICOS PARA A POPULAÇÃO

Fechamento de postos de saúde e hospitais. Fechamento de universidades e institutos federais. Viaturas paradas nas delegacias por falta de combustível. Policiais sem condições adequadas para prestar os serviços essenciais da segurança pública. Aumento das filas e da demora no atendimento em todos os serviços públicos. Sucateamento de ambulâncias, falta de vagas em creches e de leitos hospitalares. Escassez de equipamentos, insumos e materiais básicos na saúde, educação e todos os demais serviços que garantem direitos à população. Paralisação do combate ao trabalho escravo e ao trabalho infantil, e demais programas sociais.

Tudo isso poderá acontecer se o relatório da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2019 for aprovado da forma como está, com o corte de 10% das verbas de custeio para o funcionamento dos órgãos públicos.

O relatório da LDO 2019 representa a inviabilização completa de serviços que já têm muitos problemas. Na prática, só quem tem uma situação financeira confortável poderá ter acesso a serviços de qualidade, pagando para isso. Para 90% da população brasileira, o Estado é fundamental na garantia e promoção de serviços e direitos. Cortar 10% do orçamento de custeio, como propõe o governo, é fechar a porta de acesso aos serviços essenciais para dezenas de milhões de pessoas.

Lutamos pela rejeição total desses cortes e contra a suspensão das reposições salariais, bem como pela retomada da Mesa Nacional de Negociação Permanente. Exigimos o cumprimento dos acordos firmados com várias categorias para garantir a boas condições de trabalho e melhoria do atendimento à população, com abertura de concursos públicos para provimento de vagas para todas as áreas.

Pela rejeição dos artigos 15, inciso III, 17, inciso XVII e 92A.

Assinam essa nota: PÚBLICA, CTB, CUT, CSPCONLUTAS, CSPB, CONDSEF,  ASSETJ, FEBRAFISCO, FENALEGIS, FASUBRA, PROIFES, CONACATE, FENAFIRC, FENAPEF, FESPESP, FENASJ, MAS, FENASTC, FENAFISCO, FONACATE, FENAJUF, SINDILEGIS, SINDMPU, SINDJUS-DF, SINDIFISCO NACIONAL, SINDIRECEITA, SINPECPF, SINAIT, SINASEFE, ANFIP, SINDPFA, ANFFA SINDICAL, ASFOC, SINTRAJUFE/CE, SINFFAZFISCO, SINAF, UNACON, UNALEGIS, ATENS SINDICAL, MOSAP, ASTEC, ASCEMA, SINDIPUBLICOS, AFIPEA, ASCADE, SINDSEMA, ASPAL, SINDAP, SINDPEN-DF, SINDALEPA, SINPROFAZ, SINDSERVTCE-RJ, SINDSEMP/PR, APCF, ANSJ, SINDILEX, SINCLAPOL, SINSEMS, SINAFEPI, ASSEJUS, ASSTJ, SINDPOL-DF.

Benildes Rodrigues

 

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

PT denuncia no STF os vetos de Bolsonaro ao uso de máscaras

Legenda entrou com ação na Suprema Corte questionando decisão do presidente da República d…