Home Portal Notícias Universitários indígenas e quilombolas denunciam cortes no programa bolsa-permanência

Universitários indígenas e quilombolas denunciam cortes no programa bolsa-permanência

6 min read
0

O desmonte da educação promovido pelo governo ilegítimo de Michel Temer bate à porta de universitários quilombolas, indígenas e em situação de vulnerabilidade socioeconômica, comprometendo a permanência de milhares de estudantes no ensino superior. É o que denunciam centenas de estudantes indígenas e quilombolas que estão em Brasília nesta semana para reivindicar do governo número suficiente de vagas para o ano de 2018 no Programa Bolsa Permanência (PBP). Eles alertam ainda que, mesmo os estudantes que já fazem parte do programa, correm risco de perder o benefício.

Os estudantes reclamam que inicialmente o governo havia anunciado a abertura de apenas 800 novas bolsas, quando a previsão de ingresso de estudantes com perfil para receber o benefício seria de 5 mil durante todo o ano, sendo metade no primeiro semestre de 2018 e a outra metade no segundo. “Muitos desses estudantes moram longe das universidades e precisam dessas bolsas para pagar aluguel, água, energia, material de estudo. Vários já pensam em abandonar os cursos”, detalha Kâhu Pataxó, coordenador-geral do Movimento Unido dos Povos e Organizações Indígenas da Bahia (Mupoiba).

Depois de conversas com representantes do Ministério da Educação, os estudantes conseguiram fazer o governo ampliar esse número de vagas ofertadas para 2.500, o que perfaz apenas 50% da demanda estimada para 2018. “Trata-se de um corte injustificado e inaceitável. É um valor inexpressivo do ponto de vista do orçamento geral da União, mas do ponto de vista social e educacional é de extrema importância. É um fato gravíssimo comprometer a permanência de indígenas e quilombolas no ensino superior”, ressalta o deputado Afonso Lula da Silva (PT-BA).

A comitiva de estudantes, que fica em Brasília até sexta-feira (22), conversou com parlamentares nesta quarta-feira (20) na Câmara e aguarda a confirmação de uma audiência com o presidente da Casa, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ). Entre as reivindicações, eles querem que a política de bolsas-permanência vire lei e seja transformada numa política de Estado. “Seria uma segurança para todos nós e evitaria esse tipo de corte”, explica Kâhu Pataxó.

Proposta nesse sentido já tramita na Câmara. Projeto de lei (PL 1434/11) de autoria da deputada Professora Dorinha (DEM-TO), que será relatado pela deputada Alice Portugal (PCdoB-BA), na Comissão de Educação da Câmara, institui o Fundo Nacional de Assistência ao Estudante de Nível Superior (Funaes). “Nossa reivindicação é também para que o projeto inclua claramente os quilombolas”, afirma Ana Maria Maia, estudante quilombola da Universidade Federal de Goiás (UFG).

Programa – O Programa Bolsa Permanência é um auxílio financeiro pago no valor de R$ 900 para estudantes de instituições federais de ensino superior em situação de vulnerabilidade socioeconômica e para indígenas e quilombolas. Para ter direito ao benefício, o aluno deve possuir uma renda familiar per capita de no máximo um salário mínimo e meio, não ultrapassar dois semestres do tempo regulamentar do curso de graduação em que estiver matriculado para se diplomar, ter assinado termo de compromisso e ter seu cadastro devidamente aprovado e mensalmente homologado pela instituição federal de ensino superior da qual faz parte.

PT na Câmara

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

PT vai ao STF contra MP de Bolsonaro que retira da Funai demarcação de terras indígenas

O líder em exercício da Bancada do PT na Câmara, deputado José Guimarães (CE), enviou hoje…