Home Portal Notícias Obstrução é o caminho para não aprovar “pacote do veneno”, defende Nilto Tatto

Obstrução é o caminho para não aprovar “pacote do veneno”, defende Nilto Tatto

6 min read
0

O Projeto de Lei (PL 6.299/02) e outras 17 propostas apensadas, que ficou conhecido como o “pacote do veneno”, porque flexibiliza a utilização de agrotóxico no País, poderá ir a voto nesta terça-feira (19), em comissão especial. O coordenador do Núcleo Agrário do PT, deputado Nilto Lula Tatto (PT-SP), já antecipou que o caminho dos parlamentares que defendem a vida, a alimentação saudável e o meio ambiente é a obstrução para evitar a aprovação do projeto. “É uma proposta muito ruim, que inclusive retrocede nas normas em vigor para a liberação do uso do veneno”, argumentou.

Nilto Tatto explicou que mesmo com as alterações apresentadas pelo relator, deputado Luiz Nishimori (PR-PR), da chamada bancada ruralista, o projeto continua com muitos problemas. “Ainda consta no parecer questões que somos totalmente contrários como o risco aceitável. Um retrocesso em relação à legislação atual que expressa claramente a proibição de pesticidas que podem causar câncer e mutações genéticas, entre outros danos”, destacou.

Para o deputado, que também é relator em outra comissão, do projeto que cria a Política Nacional de Redução do uso de Agrotóxico (PL 6670/16), o parecer de Nishimori continua permitindo no Brasil a utilização e a fabricação de agrotóxicos que contenham compostos ativos que já foram banidos pela maioria dos países europeus e pelos Estados Unidos. “São venenos que trazem riscos e prejuízos para o ser humano e para o nosso meio ambiente e que precisam serem banidos também do nosso País”, defendeu.

Outro retrocesso que ainda consta do parecer e que na avaliação do deputado Tatto inviabiliza a aprovação do projeto é redução do papel da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e do Ministério do Meio Ambiente do processo de liberação de novos agrotóxicos de renovação de pesticidas em uso no Brasil. O parecer mantém dispositivos que permite a liberação temporária com o aval do Ministério da Agricultura, caso os pareceres técnicos da Anvisa e Meio Ambiente não fiquem prontos no período estipulado. “Isso é um risco, um absurdo que não podemos permitir”, reforçou.

Nilto Lula Tatto critica ainda a redução do prazo para análise e liberação de novos agrotóxicos. O período para esse processo hoje varia entre 8 e 9 anos, no parecer inicial Nishimori estabeleceu em 1 ano, agora modificou para 2 anos. “Ainda é um prazo muito curto para se verificar e conhecer todos os riscos e efeitos que esses venenos trazem para a saúde humana e para o meio ambiente “, ponderou o parlamentar.

Agenda – A reunião da comissão especial está marcada para esta terça-feira (19), às 10h, no plenário 12. O relatório de Nishimori foi retirado da pauta de votação no dia 26 de maio, em decorrência da obstrução dos parlamentares dos partidos progressistas e em meio a forte pressão da sociedade e de especialistas em saúde e meio ambiente.

O agendamento para a apreciação da proposta foi decidido na última quinta-feira (14), mesmo dia em que a deputada Tereza Cristina (PSB-MS), presidente do colegiado e da Frente Parlamentar Agropecuária, participou de evento realizado pela indústria dos agrotóxicos e de sementes geneticamente modificadas, em São Paulo. Além da parlamentar, participou o professor Edivaldo Domingues Velini, da Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio). A CTNBio é o órgão que libera os transgênicos no Brasil – a maioria deles produzidos pelas mesmas empresas que fabricam agrotóxicos, diretamente interessadas no “pacote do veneno”, rejeitado pela sociedade brasileira.

Vânia Rodrigues

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Deputados criticam revisão de formulário autodeclatório para agricultor familiar

Deputados e representantes do setor questionam o excesso de informações exigidas e critica…