Home Portal Notícias Afastamento de Pedro Parente da Petrobras deve ser urgente, defende Zarattini

Afastamento de Pedro Parente da Petrobras deve ser urgente, defende Zarattini

8 min read
0

O líder em exercício da Bancada do Partido dos Trabalhadores na Câmara, deputado Carlos Lula Zarattini (PT-SP), em entrevista coletiva, nesta terça-feira (29), apresentou propostas alternativas para resolver o caos causado pela administração de Pedro Parente à frente da Petrobras. Durante a gestão golpista do tucano, a estatal adotou a prática de aumento constante e exorbitante do preço dos combustíveis. Para que o Brasil entre nos eixos e a Petrobras assuma seu papel de produtor de energia para o povo brasileiro, o petista defende a saída imediata do tucano Parente da presidência da empresa.

“Há uma posição muito forte dentro da Câmara, que pede o afastamento urgente de Pedro Parente da presidência da Petrobras. Não é uma posição só do PT. É uma posição de muitos parlamentares, dos mais diversos partidos. Muitos querem o afastamento desse presidente da Petrobras e a revisão da política de preços, uma política que levou a essa crise gigantesca que o País vive”, explicou Zarattini.

De acordo com o líder petista, a Petrobras foi criada na década de 50 para produzir energia à população a preços populares e não para ser empresa de mercado. “Ela não pode ser igual a Shell, Chevron, Exxon. A Petrobras tem de ser uma empresa para atender o povo brasileiro. Por isso, o nosso objetivo é tirar Pedro Parente da Petrobras”, anunciou Zarattini, que ainda ironizou o fato de o tucano ter mais estabilidade no cargo do que Michel Temer.

“Muita gente no Congresso Nacional fala em tirar o Temer, mas querem manter o Pedro Parente. Essa é a solução neoliberal que encontraram, à qual somos totalmente contrários”, reiterou o líder petista.

Política de preços – Carlos Zarattini explicou que a Petrobras adotou nova política de preços dos combustíveis, em outubro de 2016, seis meses após o golpe parlamentar. A consequência dessa adoção, de acordo com o deputado, levou o Brasil a viver o caos. O parlamentar ainda denunciou que com a política de preços do governo golpista, foram praticados preços mais altos que viabilizaram a importação pelas empresas concorrentes.

“A estatal perdeu mercado e a ociosidade de suas refinarias chegou a um quarto da capacidade instalada. A exportação de petróleo cru disparou, enquanto a importação de derivados bateu recordes”, comparou.

Com a entrada de Pedro Parente na direção da Petrobras, houve o anúncio em junho de 2017 da revisão da política dos preços de diesel e da gasolina. O deputado descreveu que o preço da gasolina nas refinarias subiu 57%, do diesel 57,8% e 70% foi o índice registado pelo gás de cozinha nas refinarias, em 2017.

“O que temos visto no governo Temer é a extrema volatilidade dos preços. A gasolina foi reajustada 225 vezes e o diesel 229. A política da Petrobras de reajustes gera revolta e preços internos mais elevados do que os internacionais”, denunciou.

Propostas – Zarattini adiantou que amanhã (30), a Bancada do PT vai apresentar na Câmara e no Senado dois projetos de leis que apontam o caminho que o País deve trilhar. A primeira proposta, segundo Zarattini, vai definir uma política de preços da Petrobras e diretrizes para essa política de preço. O deputado observou que o projeto visa a preservar o interesse nacional, proteger os interesses do consumidor em relação a preço, qualidade e oferta dos produtos, e vai contribuir ainda para a redução da vulnerabilidade externa da economia mediante estímulo à produção e a autossuficiência – o que significa retomar as obras das refinarias para que estas atinjam suas capacidades de produção.

“As refinarias brasileiras que já existem estão produzindo com cerca de 60% de sua capacidade. Se nós elevamos essa produção para 85, 90, 95%, com certeza nós poderemos produzir mais diesel barato, mais gasolina barata e reduzir a volatilidade dos preços internos, ou seja, a flutuação dos preços tem que ser amenizada”, assegurou.

Outra proposta citada por Zarattini diz respeito ao aumento da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL). Segundo ele, para as empresas do setor financeiro a alíquota passará de 20 para 25%. Já para as empresas do setor de petróleo e gás natural – que hoje é de 9% – passará para 18%.  “Vamos tirar o lucro daqueles que mais ganham que são exatamente as empresas como a Petrobras, Shell, Exxon Chevron, empresas que estão ganhando com essa alta do preço do petróleo, do óleo diesel, do gás natural, e também do setor financeiro que não para de aumentar os lucros”, finalizou Zarattini.

Benildes Rodrigues

 

 

 

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Editorial do Jornal Nacional contra Bolsonaro está atrasado em algumas décadas, critica Alencar Santana

A edição do último sábado (8) do Jornal Nacional incluiu um duro editorial que condena a p…