Home Portal Notícias Manchetes Ana Perugini propõe uniformização de pareceres de tribunais de contas

Ana Perugini propõe uniformização de pareceres de tribunais de contas

5 min read
0

A deputada federal Ana Perugini (PT-SP) propôs a uniformização dos critérios utilizados na elaboração dos pareceres dos tribunais de contas da União, dos estados e dos municípios brasileiros, para orientar o trabalho dos prefeitos no processo de prestação de contas. A proposta foi apresentada pela parlamentar durante reunião deliberativa da Comissão de Desenvolvimento Urbano da Câmara dos Deputados (CDU), no último dia 16.

De acordo com a deputada Ana, que dividiu a presidência do colegiado com a deputada Margarida Lula Salomão (PT-MG), muitas vezes os prefeitos fazem consultas aos tribunais estaduais sobre compras e contratações e acabam surpreendidos depois, quando as contas das prefeituras são analisadas pelos órgãos.

“Não há uniformização. Muitas vezes, o parecer do conselheiro que analisa as contas é diferente daquele dado pelo conselheiro consultado previamente pelo gestor municipal, e o prefeito fica sem saber como agir”, explicou Ana, ao comentar o requerimento apresentado pela parlamentar mineira e aprovado pelos deputados.

No requerimento 220/18, Margarida propõe parceria da Comissão de Desenvolvimento Urbano com o Tribunal de Contas da União (TCU), para que haja suporte técnico ao trabalho interno do colegiado e a eventos realizados dentro e fora da Casa Legislativa, como seminários regionais que auxiliem prefeituras nos processos de prestação de contas.

A presidenta da CDU, Margarida Salomão aceitou a proposta da deputada e se comprometeu a colocá-la nos termos da parceria com o TCU.

Tarifa de esgoto – Ainda na CDU, a deputada Ana Perugini defendeu a realização de um seminário com participação da Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento (Assemae) e de gestores de empresas e concessionárias de serviços de água de esgoto de Norte a Sul do Brasil, antes da votação do projeto de lei 3596/15, que altera Lei Nacional do Saneamento Básico (11.445/07) e limita a cobrança de taxas de esgoto em percentuais de até 60% dos valores das taxas de água.

“Eu não me sinto segura para votar pela rejeição do projeto, tendo em vista o lucro das empresas e a necessidade de saneamento em todo País”, afirmou Ana, citando a Sabesp, que lucrou R$ 2,5 bilhões no ano passado e deixa a desejar no tratamento de esgoto no Estado, inclusive na capital paulista. “Há abuso, sim, na cobrança dos usuários daquilo que não é tratamento e é só afastamento de esgoto. No entanto, acredito que, antes de mudar, precisamos debater a Lei de Saneamento, que é um avanço na legislação brasileira”, concluiu a deputada.

Apesar da sugestão da parlamentar, o PL 3596/15 foi rejeitado pela Comissão de Desenvolvimento Urbano, com voto em separado do deputado Edmilson Rodrigues (PSOL/PA), a favor da mudança da lei que estabelece as diretrizes para o saneamento básico em todo o País.

O texto segue, agora, para a Comissão de Defesa do Consumidor (CDC) e passará pelas comissões de Trabalho, Administração e Serviço Público (CTASP) e de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJC), antes de ser apreciação pelo Senado.

Assessoria de Imprensa

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Editorial do Jornal Nacional contra Bolsonaro está atrasado em algumas décadas, critica Alencar Santana

A edição do último sábado (8) do Jornal Nacional incluiu um duro editorial que condena a p…