Home Portal Notícias Lula Livre Moro é escrachado e chamado de “criminoso do ano” em Nova Iorque

Moro é escrachado e chamado de “criminoso do ano” em Nova Iorque

6 min read
0

Sindicalistas dos Estados Unidos e ativistas brasileiros realizaram nesta terça-feira (15), em Nova Iorque, um protesto contra a entrega do prêmio “homem do ano” dado ao juiz Sérgio Moro pela Câmara de Comércio Brasil/EUA. Uma das faixas citava Moro como “criminal of the year” (criminoso do ano), numa referência a sua atuação na operação Lava Jato contra os interesses nacionais e em defesa de empresas norte-americanas no Brasil.

Foto: Reprodução de vídeo

Organizada por coletivos que defendem a libertação de Lula e denunciam sua prisão política por Moro, a manifestação de repúdio reuniu dezenas de brasileiros e norte-americanos. Os ativistas denunciaram o golpe parlamentar, midiático e judicial que derrubou a presidenta eleita Dilma Rousseff há dois anos e frisaram que Lula é, de fato, prisioneiro político desde o dia 7 de abril e é vítima de uma perseguição promovida por setores do Judiciário e do Ministério Público, que têm como objetivo impedir a sua candidatura à presidência da República nas eleições de outubro.

Lawfare – “Eleição sem Lula é fraude”, dizia um dos cartazes. “Moro pratica lawfare”, dizia outro, referindo-se à prática fascista de Moro de usar a lei para alcançar objetivos político-ideológicos. O juiz de Curitiba condenou Lula por supostamente ser proprietário de um tríplex no Guarujá (SP), mas não apresentou uma prova sequer para incriminar o ex-presidente.

O líder do PT na Câmara, Paulo Lula Pimenta (RS), observou que o ato em Nova Iorque levanta uma suspeita sobre os motivos de um “juiz de província” ser tão homenageado nos EUA. Um dos motivos, em sua opinião, seria uma compensação a Moro por serviços prestados a empresários que faturaram alto com o desmonte da economia e de empresas brasileiras promovido pela operação Lava Jato e o golpe de 2016 liderado por Michel Temer, Eduardo Cunha, Aécio Neves, PSDB e DEM.

Gradualmente, vários sindicatos de peso dos EUA têm se unido ao comitê Defend Democracy in Brazil para defender a libertação de Lula. Participaram do ato a AFL-CIO (Federação Americana do Trabalho e Congresso de Organizações Industriais), o Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos (USW), o Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Automobilística, Aeroespacial e Agrícola dos Estados Unidos (UAW), o Sindicato dos Trabalhadores de Alimentos e sua Comercialização (UFCW), o Sindicato do Varejo, Atacado e Lojas de Departamentos (RWSDU) e os ativistas do Defend Democracy in Brazil.

“A situação no Brasil agora reflete o que pode acontecer quando você tem pessoas em posições de poder com a intenção de oprimir qualquer movimento para melhorar a vida dos trabalhadores”, disse o vice-presidente da USW International, Fred Redmond. “Moro está buscando uma mudança de regime no Brasil, não justiça”, completou Redmond.

O protesto teve início por volta das 17h (hora local) e ocorreu na entrada do Museu Americano de História Natural, onde ocorreu um jantar em homenagem a Moro e ao ex-prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, com convites que chegaram a custar US$ 26 mil (mais de R$ 90 mil) por pessoa.

Assista ao vídeo do ato:

PT na Câmara

LEIA MAIS: Sindicatos dos EUA e ativistas brasileiros protestam contra prêmio a Sérgio Moro

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Parlamentares cobram de Raquel Dodge apuração sobre possível formação de quadrilha do clã Bolsonaro

Parlamentares do Partido dos Trabalhadores protocolaram representação junto à Procuradoria…