Home Portal Notícias Manchetes Bohn Gass e Nilto Tatto criticam proposta que escancara o uso de agrotóxicos no País

Bohn Gass e Nilto Tatto criticam proposta que escancara o uso de agrotóxicos no País

7 min read
0

Os deputados Lula Bohn Gass (PT-RS) e Nilto Lula Tatto (PT-SP) criticaram nesta segunda-feira (7) o projeto de lei (PL 6.299/02), de autoria do então senador Blairo Maggi (Sem partido/MT) e atual ministro da Agricultura – que regula desde a pesquisa e produção até a inspeção e comercialização dos agrotóxicos no País. A proposta está prevista para ser votada na comissão especial que analisa o tema nesta terça-feira (8) na Câmara, com parecer favorável do relator, o deputado Luiz Nishimori (PR-PR). Segundo os parlamentares, a nova lei escancara de vez o uso dos agrotóxicos com prejuízos para a saúde dos brasileiros e o meio ambiente.

Entre os principais retrocessos contidos na proposta está uma espécie de registro provisório para a comercialização de um veneno. Pela legislação atual, um agrotóxico considerado perigoso por algum órgão governamental é imediatamente retirado do mercado e sua comercialização proibida. Segundo a nova proposta, esse produto poderá continuar sendo vendido enquanto aguarda uma “reanálise de risco”.

Outro ponto bastante criticado do parecer que será votado é a mudança de competência para a classificação do agrotóxico. Atualmente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama) têm poder de veto no registro do produto. A nova lei deixa a responsabilidade apenas com o ministério da Agricultura, e ainda retira de estados e municípios a competência para elaborar leis específicas ou que restrinjam o uso do agrotóxico.

“Enquanto o mundo está banindo o uso dos agrotóxicos, o Brasil está liberando cada vez mais. Eu quero um alimento limpo e sustentável, e não mais venenos. Essa proposta abre o mercado brasileiro para produtos banidos em outros países por serem perigosos para que aqui sejam desovados. Por tudo isso, meu voto é contrário a esse substitutivo”, declarou Bohn Gass.

Ao também criticar a proposta, o deputado Nilto Tatto citou estudo da pesquisadora Larissa Bombardi, do laboratório de geografia agrária da USP, que revela a gravidade do uso atual de agrotóxico no País. Segundo a pesquisa, oito brasileiros são intoxicados por dia pelo consumo de alimentos ou pelo manuseio desses venenos. “Com a nova lei pretendida pelos ruralistas, que abranda e relaxa exigências para seu uso, esse número tende a aumentar de maneira expressiva”, alertou.

Ainda de acordo com a pesquisa, atualmente o Brasil permite o uso de 504 tipos de agrotóxicos, cerca de 30% já proibidos pela União Europeia. O estudo aponta ainda que o uso de venenos na agricultura brasileira mais do que dobrou, passando de 3,1 kg/ha, em 2001 para 6,8 kg/ha em 2013. “Para a saúde pública e o meio ambiente o cenário que se desenha diante da possível aprovação deste Projeto de Lei 6299/2002 é ainda mais drástico, diante do potencial aumento dos danos que serão causados”, observou Tatto.

Reação –  De acordo com o deputado Bohn Gass, a ameaça de retrocesso é tão grande que até órgãos do próprio governo federal, como o Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador do ministério da Saúde, se colocam contra a proposta. “Esse departamento fez uma nota em que diz que esse projeto exclui os órgãos da saúde na análise do risco para o trabalhador”, apontou.

O deputado Nilto Tatto também destacou que o Conselho Nacional de Saúde, vinculado ao Ministério da Saúde, recomendou o veto ao projeto, assim como o Ministério Público Federal, que no início do mês de maio divulgou uma nota técnica considerando a proposta inconstitucional.

“O referido documento conclui, ainda, que o PL está na contramão da preocupação mundial com o meio ambiente e a saúde pública, além de retirar a responsabilização de quem faz uso de agrotóxicos, em caso de descumprimento às exigências definidas em lei”, explicou Tatto.

Héber Carvalho

 

 

 

 

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Combate ao trabalho escravo está em risco com Bolsonaro e ruralistas

O combate ao trabalho análogo à escravidão está em risco no governo Bolsonaro, alerta o jo…