Home Portal Notícias Artigos Governos conservadores “bombardeiam” a Unasul e comprometem integração

Governos conservadores “bombardeiam” a Unasul e comprometem integração

10 min read
0

A nova onda conservadora que se espraia pela América Latina traz prejuízos incalculáveis à integração regional. Governos conservadores resolveram “bombardear a União de Nações Sul-Americanas”, escreve em artigo a deputada federal Maria do Rosário Lula (PT-RS). Para a parlamentar, “Temer e o chanceler agressivo com nossos vizinhos de continente operam é a destruição de um instrumento de integração regional histórico, com grande contribuição já prestada ao continente e muito por fazer”. A Unasul cumpre uma função estratégica nas relações entre os países do Mercosul, uma vez que “os países que a compõe, mesmo não participantes do mercado comum, foram considerados por ele como associados e colaboradores”.

Rosário diz que os governos conservadores do Brasil, da Argentina, Peru, Colômbia, Chile e Paraguai “já entregaram seus próprios povos à exploração, e agora entregam os povos e as nações mais pobres da região novamente à superexploração norte-americana, ao destruírem os pactos construídos na Unasul”. Veja abaixo o artigo na íntegra.

 

Por que destroem a Unasul?

 

Na última semana, os governos do Brasil, da Argentina, Peru, Colômbia, Chile e Paraguai, todos da nova onda de inspiração conservadora na América do Sul, resolveram bombardear a União de Nações Sul-Americanas (Unasul).

No caso brasileiro, o objetivo é praticar mais livremente a diplomacia submissa que governantes que chegaram pelo golpe parlamentar ao poder, praticam desde o momento em que pisaram no Itamaraty.

Preservado o reconhecimento justo à competência e dedicação aos interesses do Brasil, de quadros de carreira da instituição, o chanceler atual age exatamente no sentido contrário à diplomacia com autonomia – como Chico Buarque referiu-se certa vez, esbraveja com a Bolívia, enquanto fala fino a linguagem que agrada a Washington.

O que Temer e o chanceler agressivo com nossos vizinhos de continente operam é a destruição de um instrumento de integração regional histórico, com grande contribuição já prestada ao continente e muito por fazer.

O primeiro aspecto a ser relembrado, é que a Unasul, construída após longo processo de diálogo regional, diferente de outros blocos que iniciaram sua agenda por interesses econômicos, foi firmada a partir da orientação política de fortalecer o sentido de uma cidadania regional no continente.

Entre seus objetivos primordiais, encontra-se desenvolver uma cooperação voltada a construir relações solidárias para o desenvolvimento comum de seus integrantes, superando assimetrias econômicas e sociais, e fortalecendo soluções democráticas, sustentáveis e soberanas a serem tomadas como parte da adesão das nações ao pacto regional.

A formação da Unasul partiu do reconhecimento de que o conjunto dos estados nacionais mantém relações econômicas e político-culturais prioritárias em movimentos extracontinentais ao longo da história.

Estudos indicam que barreiras geográficas naturais, demandam iniciativas planejadas de superação, estabelecendo conexões terrestres mesmo em regiões como a Cordilheira dos Andes e a Amazônia. Temas como a preservação ambiental, populações fronteiriças, validação da educação, uso racional das riquezas naturais e planejamento do enfrentamento a crimes internacionais, são questões que melhor se desenvolvem com uma integração permanente.

A Unasul também é essencial na relação com a economia regional e o Mercosul, sendo bastante claro seu papel, pois todos os países que a compõe, mesmo não participantes do mercado comum, foram considerados por ele como associados e colaboradores.

O significado dessa integração é fundamental para o Brasil, mesmo sendo o parceiro econômico mais forte da região. Sem vínculos e liderança regionalmente reconhecida, nosso país ficará mais vulnerável a especulações financeiras e protecionismos que o norte global realiza sobre sua economia – arvorando-se, porém, de uma autoridade (que não deveria ter) que impede que façamos entre nós mesmos, protegendo cada nação e a região.

O equilíbrio regional e o planejamento conjunto estão entre as principais ferramentas para superação da miséria extrema no nosso continente. Historicamente marcado pela exploração de suas riquezas, simbolizadas por Eduardo Galeano como veias abertas a irrigar com o sangue de nossos povos originários os padrões de riqueza e consumo dos países ricos, novamente nos vemos submetidos a líderes ilegítimos que entregam à força vital de nossa terra e nossa gente.

O fruto mais amargo do enfraquecimento da democracia que nos é muito cara, construída por gente que lutou contra ditaduras e enfrentou ontem o Plano Condor, e não mudou de lado hoje, é o aviltamento das liberdades democráticas e da soberania nacional no Brasil e na região.

Para os governos de Macri e outros, acabar com a Unasul é o cumprimento de mais um item na agenda de retrocessos. Se no plano nacional eles abrem o caminho para privatização das riquezas e do patrimônio público, desregulamentando relações de trabalho para assegurar a ampliação de taxas de lucros aos conglomerados financeiros internacionais que lucram com o ajuste fiscal na Argentina e no Brasil, comprometer a integração latino-americana é parte de seu projeto.

Já entregaram seus próprios povos à exploração, e agora entregam os povos e as nações mais pobres da região novamente à superexploração norte-americana, ao destruírem os pactos construídos na Unasul.

São uns vendilhões. Vão pra história como lacaios.

(Em memória de Marco Aurélio Garcia)

*Maria do Rosário é deputada federal pelo PT do Rio Grande do Sul

Foto Lula Marques/Liderança do PT na Câmara.

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Cultura no País está à beira do colapso e precisa de apoio urgente, destaca Benedita da Silva

Desde o golpe parlamentar, jurídico e midiático de 2016, o setor cultural brasileiro sofre…