Home Portal Notícias Manchetes Projeto de Ana Perugini que valoriza trabalho doméstico não reduz receitas públicas

Projeto de Ana Perugini que valoriza trabalho doméstico não reduz receitas públicas

5 min read
0

O projeto de lei que prevê a valorização do trabalho doméstico não remunerado no País, apresentado pela deputada federal Ana Perugini (PT-SP) à Câmara dos Deputados no ano passado, não vai aumentar as despesas do governo federal e tampouco reduzir as receitas públicas.

A avaliação de impacto orçamentário e financeiro do PL 7.815/2017 foi feita pela Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira (Conof), órgão da Câmara Federal responsável pela análise fiscal dos projetos que tramitam na Casa Legislativa, a pedido da parlamentar.

De acordo com a Conof, o projeto é meramente normativo, “sem qualquer impacto sobre o aumento de despesas e/ou a redução de receitas públicas”. Portanto, “não tem implicação orçamentária e financeira” nas contas do País.

Desta forma, o parecer da consultoria orçamentária da Câmara fortalece o projeto, que prevê a inclusão da economia do cuidado – constituída por afazeres domésticos como cuidados com a casa, idosos, crianças, enfermos e pessoas com deficiência – no cálculo do Produto Interno Bruto (PIB), inibe uma das principais causas de rejeição de propostas no Congresso: a inadequação orçamentária e financeira.

Com a promulgação da Emenda Constitucional 95/2016, que tramitou na Câmara como PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 241 e no Senado como PEC 55, congelando os gastos públicos por 20 anos, a aprovação de projetos de lei com impacto orçamentário financeiro relevante se tornou mais difícil. Assim, um projeto que não gera despesa tem mais chance de ser aprovado e sancionado.

O projeto

Protocolado em junho do no passado na Câmara Federal, o projeto prevê a valoração e a inclusão de atividades como afazeres domésticos e cuidados com crianças e pessoas com deficiência no cálculo do Produto Interno Bruto (PIB), medido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O PL estabelece que o governo federal – por meio do Banco Central e dos ministérios da Fazenda e do Planejamento, Orçamento e Gestão – considere a economia do cuidado em suas análises e na elaboração de políticas públicas que valorizem o trabalho doméstico não remunerado e, consequentemente, contribuam com a busca de igualdade entre homens e mulheres.

O texto foi aprovado pela Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher e está sob análise da Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público (CTASP). Em seguida, será apreciado pelas comissões de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática (CCTCI) e de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC). Se passar pelo crivo dos colegiados, a proposta seguirá para o Senado.

Assessoria de Imprensa

Foto: Leonardo Prado/Câmara dos Deputados

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Governo Bolsonaro sabia de colapso na saúde em Manaus 10 dias antes de faltar oxigênio

Um ofício enviado pela Advocacia-Geral da União (AGU) ao Supremo Tribunal Federal (STF) co…