Home Portal Notícias Manchetes Petistas demonstram ao presidente da Eletrobras que venda da estatal trará prejuízos ao País

Petistas demonstram ao presidente da Eletrobras que venda da estatal trará prejuízos ao País

8 min read
0

Parlamentares da bancada do PT questionaram nesta terça-feira (17) o presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Jr, sobre as reais motivações do governo Temer de propor a privatização da empresa. Durante a audiência pública da comissão que trata da proposta (PL 9.463/18), da qual a própria base do governo esteve ausente, o presidente da estatal expôs a velha cantilena neoliberal de que somente a venda da Eletrobras pode garantir os investimentos em energia no futuro. A explicação foi prontamente rebatida pelos deputados petistas, e de outros partidos de oposição, que apontaram a perda de soberania do País e prejuízo aos consumidores.

O deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), por exemplo, questionou o valor de mercado atribuído à estatal pelo governo Temer. “Levantamentos da própria estatal apontam que, entre 2002 a 2014, a Eletrobras teve lucro anual líquido de quase R$ 1 bilhão de reais por ano. Apenas essa soma é muito maior do que os R$ 9 bilhões estipulados pelo governo como o valor de mercado da estatal”, apontou o petista. Na mesma linha, o deputado Paulão Lula (PT-AL) ressaltou que estudos apontam que o valor do parque gerador de energia da Eletrobras – composto por usinas hidrelétricas, termelétricas, eólicas, solares e duas usinas nucleares – soma R$ 370 bilhões de reais.

Sobre as críticas à intenção já manifestada pelo governo de arrecadar apenas R$ 12 bilhões com a venda da estatal, Wilson Ferreira Jr reconheceu que o valor é bem abaixo do que foi obtido, por exemplo, na venda da Companhia Paulista de Força e Luz (CPFL) para a empresa chinesa State Grid, por R$ 30 bilhões. Ele tentou explicar que a diferença de valor ocorre por conta de dívidas da estatal, prejuízos operacionais devido ao baixo valor cobrado pela energia e pela falta de capacidade atual de investimento da Eletrobras.

Sobre essa explicação, Chinaglia argumentou que o verdadeiro motivo para a venda está na pressão exercida por empresas multinacionais que têm interesse no controle da produção e distribuição de energia no Brasil. “Aparentemente, nenhuma empresa nacional teria hoje caixa para comprar a Eletrobras. Fatalmente a estatal ficaria nas mãos de empresas estrangeiras. O interessante é que países como China, Canadá, Noruega e até os Estados Unidos, têm sobre controle estatal suas usinas hidrelétricas e o curso de seus grandes rios”, observou.

O deputado Patrus Lula Ananias (PT-MG) também destacou a importância de o Estado brasileiro manter o controle da Eletrobras para democratizar o acesso à energia. “Não vi na exposição do presidente da Eletrobras nenhuma referência às questões de soberania. Eu defendo o espaço da livre iniciativa, desde que esteja subordinada ao interesse do País. Sejamos claros, a privatização é o espaço do lucro e não do interesse público. Ou alguém acha que uma empresa privada levaria energia elétrica aos rincões do País, ou a uma comunidade quilombola ou indígena, que não traz lucro, como fez o Programa Luz para Todos?”, indagou Patrus.

Aumento da energia– O deputado Arlindo Chinaglia também lembrou que a privatização traria como consequência inevitável um aumento no valor da energia elétrica. “A própria ANEEL –  Agência Nacional de Energia Elétrica – estima que a tarifa deve aumentar até 17%. Em Portugal, por exemplo, a privatização trouxe um aumento de 44% na tarifa de energia acima da média dos outros países da União Europeia”, exemplificou.

Ao lembrar o golpe contra a presidenta eleita Dilma Rousseff, que nesta terça (17) completa dois anos, o deputado João Lula Daniel (PT-SE) observou que a proposta de venda da Eletrobras é fruto da ascensão ao poder de um setor da sociedade que nunca obteria a permissão nas urnas para privatizar a estatal. “Até poderíamos tentar entender essa proposta se ela tivesse sido vitoriosa nas urnas. Mas pelo contrário, nas últimas eleições o programa vitorioso defendeu um Estado forte e a defesa das estatais. Por isso tenho certeza que a reação contrária a essa proposta aqui no Congresso, e com apoio da sociedade, da CNBB, e dos movimentos sociais e sindicais vamos barrar essa privatização”, garantiu.

Também participaram da audiência pública os deputados petistas Erika Lula Kokay (DF), Henrique Lula Fontana (RS) e Pedro Lula Uczai (SC) suplentes da Comissão – e o deputado Celso Pansera (PT-RJ).

Héber Carvalho

Foto:Gustavo Bezerra

 

 

 

 

 

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Deputados criticam revisão de formulário autodeclatório para agricultor familiar

Deputados e representantes do setor questionam o excesso de informações exigidas e critica…