Home Portal Notícias Manchetes Governo Temer é principal culpado por recorde de mortes no campo em 2017, acusam petistas

Governo Temer é principal culpado por recorde de mortes no campo em 2017, acusam petistas

6 min read
0

O presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara, deputado Luiz Lula Couto (PT-PB), e os deputados petistas Lula Marcon (RS) e João Lula Daniel (SE) – oriundos da militância no Movimentos dos Trabalhadores Sem Terra (MST) – afirmaram nesta segunda-feira (16) que o recorde de assassinatos no campo em 2017 é fruto da ausência de políticas públicas de democratização do acesso à terra e da retirada de direitos dos trabalhadores do campo. Dados divulgados pela Comissão Pastoral da Terra (CPT) apontam que em 2017, 70 pessoas foram assassinadas em conflitos no campo, o maior número registrado desde 2003.

“O aumento da violência no campo, seja contra trabalhadores sem-terra, pequenos agricultores, ou ainda comunidades quilombolas e povos indígenas, é reflexo das ações de um governo que violenta o Estado Democrático de Direito, que fecha os olhos para as políticas de combate ao trabalho análogo a escravidão e que só contempla o mercado financeiro. Esse mesmo governo dá cobertura a grupos que criminalizam os movimentos sociais e partidos políticos, como o PT, que defendem a democratização do acesso à terra. Foi para isso que deram o golpe contra a Dilma, e agora prenderam o Lula”, acusou o presidente da CDHM, Luiz Lula Couto.

Para o deputado Marcon, os assassinatos no campo – que vitimaram principalmente militantes de movimentos sociais e lideranças que defendem o acesso à terra – só ocorreu pela conivência do governo Temer com os setores que estimulam a violência. “Esse governo golpista não tem política para o campo, é articulado com essa turma ruralista e não age para conter essa bandidagem ligada aos ruralistas. Por isso o número de mortes aumentou”, denunciou Marcon.

Já o deputado João Lula Daniel alertou que desde o golpe parlamentar que derrubou a presidente eleita Dilma, setores ruralistas sentiram-se à vontade para intensificar os atos de violência no campo. “Essa ofensiva do grande latifúndio contra os movimentos do campo está ligada a essa conjuntura de golpe que enfrentamos no País. A bancada ruralista no Congresso, principalmente, tem aproveitado a fraqueza deste governo – que não foi eleito pelo povo – para impor a sua agenda de destruição das políticas públicas voltadas à reforma agraria e à agricultura familiar. E parte do setor judiciário também faz parte dessa ofensiva”, alertou o parlamentar.

Segundo o levantamento da CPT, os 70 assassinatos registrados no campo em 2017 representam um aumento de 15% em relação ao número registrado em 2016. Cerca de 40% do total de mortes (28) ocorrem em quatro massacres (Bahia, Mato Grosso, Pará e Rondônia). O estado do Pará lidera o ranking de 2017 com 21 pessoas assassinadas, sendo 10 no Massacre de Pau D’Arco; seguido pelo estado de Rondônia, com 17, e pela Bahia, com 10 assassinatos.

Assassinatos e Julgamentos- Os dados levantados pela CPT apontam ainda que grande parte dos assassinatos no campo não chegam a ser julgados pela justiça. Entre 1985 a 2017, a CPT registrou 1.438 casos de conflitos no campo em que ocorreram assassinatos, com 1.904 vítimas. Desse total de casos, apenas 113 foram julgados, o que corresponde a 8% dos casos, em que 31 mandantes dos assassinatos e 94 executores foram condenados. Isso mostra como a impunidade ainda é um dos pilares mantenedores da violência no campo.

Héber Carvalho com Comissão Pastoral da Terra (CPT)

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Após dois anos, Moro poderá ser julgado por crimes contra a Constituição; Paulo Pimenta vê blindagem do CNJ ao juiz da Lava Jato

Após dois anos da divulgação ilegal das conversas telefônicas da Presidenta Dilma Rousseff…