Home Portal Notícias Lula Livre “Não vamos sair das ruas”, avisa Paulo Lula Pimenta

“Não vamos sair das ruas”, avisa Paulo Lula Pimenta

9 min read
0

Em visita ao acampamento Lula Livre, em Brasília, o líder do PT na Câmara, deputado Paulo Lula Pimenta (RS), reforçou na manhã deste domingo (15) que o povo brasileiro não arredará pé das ruas até a liberdade de Lula e dimensionou a gravidade dos fatos que estão por trás de todo o processo que culminou na prisão do ex-presidente. Um desses fatos, que envolve aspectos geopolíticos mundiais, seria justamente o interesse dos Estados Unidos, segundo explicou o líder, nas reservas do pré-sal brasileiro, cujos objetivos jamais lograriam êxito com o Brasil sob o comando de um governo democrático-popular.

Pimenta lembrou que o presidente Lula, diferentemente de governos anteriores, conseguiu dar ao Brasil um papel de protagonista no cenário mundial, reunindo outras lideranças e estabelecendo acordos de cooperação que criaram e fortaleceram outros fluxos no comércio internacional. “Temos que perceber que, além de Lula e Dilma terem feito muito dentro do Brasil, eles começaram a promover mudanças fora. O presidente Lula, viajando pelo mundo, criou o Brics [aliança entre Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul], abrindo novos mercados. Também fortaleceu o Mercosul”, explicou.

Pimenta detalhou que o protagonismo do Brasil nos governos do PT veio acompanhado da descoberta de grandes reservas de petróleo no País. “Quando descobrimos o pré-sal, o Brasil passou a fazer parte de um grupo pequeno de países com grandes reservas de petróleo, com um governo soberano, independente, que também tem uma grande produção agrícola, que produz alimentos para o mundo, que tem água potável, que tem um povo maravilhoso, aliado ao fato de representar uma força política e estratégica no mundo”, pontuou.

Segundo o líder petista, essa nova realidade da qual o Brasil passou a fazer parte atiçou a sanha golpista, justamente porque essa nova conformação passou a contrariar interesses. “O golpe foi dado contra isso, o golpe foi dado para que nós não continuássemos cumprindo esse papel no mundo. Mas também foi dado porque um governo popular é um entrave aos interesses imperialistas. Não teria como entregar o pré-sal para as multinacionais com um governo eleito pelo povo, não teria como fazer uma Reforma Trabalhista para submeter os cidadãos e as cidadãs a um regime de quase escravidão num governo popular, não teria como destruir a Previdência ou cortar os gastos da saúde e da educação com um governo democrático no poder”.

Paulo Lula Pimenta, ao contextualizar o momento político e econômico do Brasil, disse ser fundamental compreender o que se passa no mundo para entender melhor em que realidade nosso País está inserido. Ao citar o recente ataque dos Estados Unidos à Síria, ele lembrou que todas as guerras promovidas pelos EUA nos últimos tempos foram motivadas por disputas que envolviam petróleo. Citou a guerra do Kuwait, a do Iraque e, atualmente, a da Síria, que geograficamente é uma divisa do petróleo entre o Oriente Médio e a Europa. Para ele, nessa disputa geopolítica do mundo, não resta dúvida de que o grande capital não aceitou o novo papel que o Brasil passou a desempenhar. A solução, então, foi promover o golpe para dar vazão aos interesses imperialistas.

Mas o líder petista ressaltou que algo deu errado e está minando o golpe midiático, parlamentar e jurídico aplicado à democracia brasileira. “Passados quase dois anos de golpe, já estamos chegando perto das eleições. E eles imaginavam que tirando a Dilma, iniciando a perseguição aos movimentos sociais, criminalizando nossas lideranças e perseguindo especificamente o Lula iriam chegar às vésperas das eleições com a gente fora do jogo político. E o que está acontecendo? A cada pesquisa, o Lula cresce; a cada Jornal Nacional atacando o Lula, ele cresce; a cada capa da Veja, o lula cresce”, mostrou, criticando logo em seguida a última pesquisa eleitoral, que excluiu Lula dos seis primeiros cenários possíveis e ainda comparou o resultado recente com pesquisa do começo do ano, quando vários possíveis presidenciáveis ainda nem apareciam na disputa.

“Eleição sem Lula é fraude, pesquisa sem Lula é fraude. Eles querem nos mantar no cansaço, querem nos neutralizar com a prisão de Lula”, definiu. “Mas nós não vamos sair das ruas. Esse acampamento aqui já é filho daquele lá de Curitiba. E outros estão surgindo em Fortaleza e no Rio de Janeiro. E estão sendo montados outros em várias partes do mundo. Já estão aparecendo acampamentos falando alemão, inglês, francês, espanhol e até japonês”, comemorou o líder.

O deputado Rubens Lula Otoni (PT-GO) também participou desde cedo das atividades no acampamento de Brasília. Segundo o parlamentar, as cidades goianas do Entorno do DF e os municípios de Goiás também estão mobilizados para defender e pedir a libertação imediata do ex-presidente Lula.

PT na Câmara

Fotos: Lula Marques

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Bolsonaro mente ao dizer que nada pode fazer se salário mínimo está baixo

Em mais um desatino mostrando que nada entende de economia, o presidente da República, Jai…