Home Portal Notícias Manchetes Supremo precisa ser o guardião da Constituição, destaca Paulo Pimenta

Supremo precisa ser o guardião da Constituição, destaca Paulo Pimenta

5 min read
0

O pedido de habeas corpus solicitado pela defesa do ex-presidente Lula será analisado na quarta-feira pelo STF. Em artigo, o líder Paulo Pimenta (PT-RS), analisa a importância de o Supremo Tribunal Federal acatar o pedido dos advogados de Lula. Conforme Pimenta, “como guardião maior da Constituição Federal, o STF não pode deliberar algo que aponte o desprezo pela norma constitucional e consagre o populismo penal e o ativismo judicial.” A Corte Suprema precisa garantir o que preconiza a Constituição Federal e não provocar “um clima de instabilidade jurídica no País”, recomenda o líder da Bancada do PT na Câmara.

Leia abaixo o artigo na íntegra:

STF deve consagrar Constituição e rechaçar populismo penal

O Brasil e o mundo democrático acompanharão minuciosamente o que acontecerá nesta quarta-feira (4) em Brasília, mais especificamente no Supremo Tribunal Federal (STF), que julgará um pedido de habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A decisão que será tomada pelo STF nesta sessão terá repercussão muito grande e estamos confiantes de que – apesar das pressões que vêm sendo feitas, algumas bastante inusitadas – haverá por parte do Supremo um posicionamento que está sintonizado com a decisão que foi adotada pelos constituintes em 1988, quando não restou dúvida no texto da Carta Magna quanto ao cumprimento de pena em processo judicial ocorrer apenas a partir da sentença transitada em julgado.

Qualquer outra interpretação diferente desta viola o princípio da soberania popular que foi conferido aos constituintes originários. Ademais, não é razoável que tenhamos no Brasil um movimento de pessoas que, pelo fato de não concordarem com o texto da Constituição, querem que ele não seja cumprido e pressionam o Supremo neste sentido.

Mais grave ainda é o fato de que se torna cada vez mais frequente a militância de agentes do poder Judiciário que interpretam a Constituição e as leis em função dos seus interesses pessoais ou das suas convicções ideológicas. Isso enfraquece o Estado democrático de direito, arranha as instituições e provoca um clima de instabilidade jurídica no País.

Como guardião maior da Constituição Federal, o STF não pode deliberar algo que aponte o desprezo pela norma constitucional e consagre o populismo penal e o ativismo judicial.

Cabe ao Supremo resolver essa situação de uma vez por todas e contribuir para o retorno da normalidade institucional que o País necessita para enfrentar a crise que vivemos hoje.

Deputado Paulo Pimenta (RS)

Líder do PT na Câmara dos Deputados

 

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

“Se não for para revogar o desmonte, não faz sentido ganhar as eleições”, diz Bohn Gass

O deputado federal Bohn Gass (PT-RS), líder do PT na Câmara, em entrevista à TV 247, conde…