Home Portal Notícias Lula pelo Brasil Em visita à universidade e assentamento, Lula condena violência de fascistas

Em visita à universidade e assentamento, Lula condena violência de fascistas

7 min read
0

O ex-presidente Lula aceitou a sugestão do reitor da Universidade Federal de Fronteira Sul (UFFS), Jaime Giolo, de criar a Universidade Indígena do Brasil quando voltar a presidir o País. Nesta terça-feira (27), Lula visitou o campus da UFFS, mais precisamente o laboratório do curso de Agronomia da instituição. Criada durante o governo Lula (em 2009), a UFFS tem atualmente seis campi com 16 prédios construídos. A universidade oferece 43 cursos de graduação, 4 cursos de especialização, 12 mestrados e dois doutorados, e mantém em seus quadros cerca de 700 professores. Até o final de 2016, 8 mil estudantes já haviam passado pela instituição. Também no início da noite de terça-feira (27), Lula esteve com os agricultores do Assentamento 8 de Junho do MST.

“Eu saio daqui encantado com a ideia que o reitor (da UFFS) me deu, de criar uma universidade indígena com vários campi espalhados pelo País. Este País tem uma dívida muito grande ainda com os indígenas, os negros, e com as pessoas mais pobres que desejam cursar uma universidade. Estamos preparando um programa de governo, onde queremos propor a criação de mais universidades, escolas técnicas, e ainda federalizar o ensino médio no País”, revelou Lula.

A UFFS abrange mais de 400 municípios da Mesorregião Grande Fronteira Mercosul – Sudoeste do Paraná, Oeste de Santa Catarina e Noroeste do Rio Grande do Sul. A sede da UFFS fica em Chapecó (SC), e os outros campi estão localizados nos municípios de Realeza e Laranjeiras do Sul (PR) e Cerro Largo, Erechim e Passo Fundo (RS).

Assentamento – Logo após a sua passagem pela UFFS, Lula teve encontro com agricultores do Assentamento 8 de Junho, em Laranjeiras do Sul. No encontro com os assentados, Lula reafirmou que a caravana Lula pelo Sul está sendo perseguida por grupos fascistas. “Já atiraram ovos, pedras. Hoje deram até um tiro no ônibus”, condenou o ex-presidente.

Lula criticou os métodos violentos daqueles que se opõem à democracia: “Se tem uma pessoa que fez muitas viagens nesse País fui eu. Já percorri o Brasil inteiro, 91 mil km de barco, trem e ônibus. Já fiz campanha política em todo o território nacional e vocês nunca ouviram falar de violência”. O presidente mostrou-se preocupado com o ódio de minorias que insistem em atacar a Caravana. “O que eu estou vendo agora é quase o surgimento do nazismo. O que estamos vendo agora não é política, porque se quisessem derrotar o PT, iriam para as urnas”.

Lula criticou os extremistas de direita que não se conformam em saber que os pobres podem e devem melhorar de vida. “Eu acho que eles não suportam a melhoria de vida que os mais pobres tiveram. É demais pra cabeça deles ver o filho do agricultor daqui estudando agronomia. Eles querem tudo pra eles”.

O ex-presidente disse ainda que as autoridades estaduais e federais deveriam dar proteção à caravana e inibir a ação dos vândalos. “Esperamos que quem está no governo estadual e federal, seja golpista ou não, assuma a responsabilidade. Atacaram o ônibus que estava a imprensa”, disse referindo-se ao ônibus que foi alvejado por tiros nesta terça-feira (27). O Paraná foi o único estado da federação de todos os percorridos pela caravana Lula pelo Brasil a não fornecer uma escolta policial para a comitiva dos ônibus.

E Lula concluiu: “Eles não admitem que o povo pobre melhore de vida. Ficam com ódio. Que saibam: vou voltar, porque é preciso terminar a reforma agrária, demarcar as terras indígenas e quilombolas. Ainda que eu tenha apenas um minuto de vida daqui pra frente, esse minuto será dedicado a lutar pela dignidade do povo brasileiro”, finalizou.

Héber Carvalho e Carlos Leite

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Petistas afirmam que relatório da Previdência mantém inúmeros retrocessos contra os trabalhadores

Parlamentares da Bancada do PT na Câmara criticaram na terça-feira (18) as maldades contra…