Home Portal Notícias Artigos A política e a legitimação

A política e a legitimação

5 min read
0

Em artigo, o deputado Décio Lima (PT-SC), Líder da oposição no Congresso Nacional, afirma que o governo de plantão tem procurado revestir seus atos de legalidade (volta e meia questionável), porém quase sempre carentes de legitimidade. Tanto é assim que se trata de um governo com rejeição recorde (apenas 3% dos brasileiros o aprovam). Leia a íntegra:

A política e a legitimação

A legitimação institucional é um processo que corresponde a angariar aceitação e apoio por parte do público em que a instituição se insere e decorre da percepção por parte dos cidadãos e cidadãs de que ela (a instituição) existe para melhor atender o interesse coletivo.

Assim, com o propósito de manter e até ampliar a legitimidade, as instituições tendem a estabelecer um processo de legitimação, cujo cerne é substantivo, isto é, tem foco nos valores éticos, estéticos e até religiosos que compõem a cultura das comunidades. Em se tratando da dimensão política da vida humana associada à legitimação assume importância relevante porque as suas instituições são particularmente dependentes de legitimidade.

Embora seja notório, convém ressaltar que legal e legítimo não são sinônimos. Um ato governamental deve cercar-se de legalidade, ou seja, tem que estar adequado ao Estado de Direito. Contudo pode faltar-lhe legitimidade, que tem a ver com a aceitação social do ato e daí em perfeito alinhamento com o Estado Democrático.

Nessa perspectiva o governo de plantão tem procurado revestir seus atos de legalidade (volta e meia questionável), porém quase sempre carentes de legitimidade. Tanto é assim que se trata de um governo com rejeição recorde (apenas 3% dos brasileiros o aprovam).

Quanto ao Congresso Nacional, tendo em vista o apoio majoritariamente concedido às medidas carentes de legitimidade do governo claudicante, também sofre de gritante reprovação popular.

Pesquisa Data Folha recente revela que 60% da população considera como ruim ou péssima a atuação dos Deputados e Senadores. Apenas 5% dos entrevistados aprovam a atuação do Congresso e quando se trata da opinião de pessoas com nível superior (e, ao menos em tese, com melhor acesso às informações) a rejeição aos parlamentares atinge 75% de ruim ou péssimo.

Em suma, Executivo e Parlamento federais carecem de legitimidade na medida em que são pessimamente avaliados pelo povo. E, efeito colateral preocupante, a dimensão política acaba sendo atingida, fato que abre espaço para aventuras (ou desventuras?) autoritárias, policialescas e truculentas, avessas à harmonia social e ao princípio da solidariedade, cernes do Estado Democrático de Direito.

Site Brasil 247

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Gleisi Hoffmann critica governo Bolsonaro pelo aprofundamento da crise econômica no País

A presidenta nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PR), usou a tribuna da Câmara nesta…