Home Portal Notícias Manchetes Comissão anuncia resistência contra privatização de setor de saneamento

Comissão anuncia resistência contra privatização de setor de saneamento

7 min read
0

Michel Temer é um poço sem fundo de maldades quando o alvo são as políticas públicas historicamente construídas em prol do bem comum. Desta vez, o governo ilegítimo mira sua artilharia contra a política nacional de saneamento básico, para entregar o setor à iniciativa privada. A munição pesada que vem pela frente é uma medida provisória (MP) – ainda em elaboração – que desarticula o que o poder público e a sociedade civil construíram e materializaram na Lei 11.445, de 5 de janeiro de 2007. Essa legislação, depois de muito debate, estabeleceu as diretrizes nacionais e definiu uma política federal para o saneamento básico.

Para discutir mais essa tentativa de desmonte e propor ações com o objetivo de barrá-lo, a Comissão de Desenvolvimento Urbano da Câmara – por iniciativa do seu presidente, deputado Givaldo Vieira (PT-ES), e do deputado Angelim (PT-AC) – realizaram audiência pública nesta terça-feira (7) com especialistas e representantes de entidades de trabalhadores e da sociedade civil. As entidades denunciaram que a proposta golpista é eivada de inconstitucionalidades e, diferentemente da legislação vigente, desprezou a ampla participação social em sua construção.

Prova disso foi a situação denunciada durante a audiência, que ocorreu quase que concomitantemente a uma outra reunião para debater o mesmo assunto, só que, desta vez, no Ministério das Cidades e com participação restrita imposta pelo governo. Entre os palestrantes, o advogado Wladimir Antônio Ribeiro, especialista em saneamento, lembrou que, ao contrário do que faz Temer, a elaboração da Lei 11.445 foi resultado de um exaustivo processo de debate, com 11 audiências públicas realizadas em todas as regiões do Brasil, além de consulta pública e amplo esforço para construir um consenso no Congresso Nacional.

Como exemplo de retrocesso e inconstitucionalidade da ação golpista, o advogado apontou a extinção do contrato de programa, que é um instrumento legal que, na área do saneamento, permite aos municípios exercerem a prerrogativa de contratar serviços junto às companhias ou autarquias estaduais de saneamento. Pelo modelo a ser proposto por Temer, o município estará impedido de firmar essa cooperação diretamente com o seu respectivo estado. Terá – antes – que publicar um edital e aguardar se existe ente privado interessado em prestar esse mesmo serviço. Havendo, será obrigado a fazer uma licitação.

“A medida é absolutamente inconstitucional. Pela lei, o município tem o direito de fazer o serviço com meios próprios ou com meios emprestados do estado, sendo que esse empréstimo se dá por meio do contrato de programa. Se o município escolhe fazer por concessão ou permissão, aí sim ele faz a opção pela licitação. Mas, na hora em que há a proibição do uso do contrato de programa, está sendo imposto que o município só pode usar esse instrumento se não houver nenhum interessado privado. Ou seja, o governo quer impedir que as administrações públicas cooperem entre si no sentido de produzir o serviço público”, denunciou Wladimir.

O deputado Givaldo Vieira reforçou que a iniciativa da comissão foi motivada por denúncia das entidades acerca da gravidade do tema. “O objetivo do governo golpista com essa tentativa de mudar a lei de saneamento é priorizar os interesses da iniciativa privada. A audiência foi positiva e instaurou uma resistência no sentido de barrar mais esse desmonte do governo ilegítimo. Aprovamos uma moção pedindo ao ministro [das Cidades] que não seja publicada essa medida provisória e a partir de agora vamos nos reunir com os urbanitários para organizar uma mobilização junto à sociedade”.

Também participaram da audiência os deputados Afonso Florence (PT-BA) e Margarida Salomão (PT-MG). Entre os palestrantes falaram ainda Amélia Fernandes, da Confederação Nacional dos Urbanitários e conselheira Nacional das Cidades; Edson Aparecido da Silva, da Frente Nacional de Saneamento Ambiental; e Abelardo de Oliveira Filho, ex-secretário Nacional de Saneamento Ambiental do Ministério das Cidades.

PT na Câmara

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Milhões de trabalhadores devem ir às ruas em defesa do serviço público de qualidade

Diante dos ataques que Jair Bolsonaro e seu ministro da Economia, o banqueiro Paulo Guedes…