Home Portal Notícias Manchetes Brasil sofre com o desmonte de programas sociais e de infraestrutura, diz Zé Geraldo

Brasil sofre com o desmonte de programas sociais e de infraestrutura, diz Zé Geraldo

5 min read
0

Em discurso contundente na tribuna da Câmara nesta semana, o deputado Zé Geraldo (PT-PA) criticou a falta de investimento do governo golpista de Temer em programas sociais e de infraestrutura. Ele afirmou que será preciso “seguramente uns 100 anos para fazermos, por emendas parlamentares, o que Lula e Dilma fizeram nos seus 13 anos de governo com recursos do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) e com financiamentos do BNDES”.

Zé Geraldo ressaltou que nesta semana prefeitos do Brasil inteiro estiveram na Câmara. “Só do meu estado, o Pará, recebi 40 prefeitos e centenas de vereadores. Todos eles estavam à procura de emendas. Todos eles lamentaram e falaram das dificuldades financeiras que estão sentindo neste mandato”.

O parlamentar do PT do Pará explicou que eles (prefeitos) estão sentindo lá na ponta os efeitos da Emenda 95 que congelou os investimentos públicos por 20 anos. “Nós do PT votamos contra. Nós já dizíamos naquela época para não votarem aquilo (o congelamento), porque esta lei iria tirar dinheiro da educação, da saúde, idas obras públicas. E é o que está acontecendo neste momento”, argumentou.

Como exemplo das dificuldades, Zé Geraldo citou a obra da Transamazônica, que ainda falta terminar o asfaltamento e a construção de pontes na BR-230. “Se todos os anos a bancada do Pará colocar R$ 50 milhões para essa obra, ela só será concluída em 20 anos. Esse o tempo que levará para concluir a Rodovia Transamazônica, com as pontes e aproximadamente 400 quilômetros dos 1000 quilômetros que foram colocados no PAC”, informou.

Ele avaliou que, se a presidenta Dilma não tivesse sido “deposta por um golpe”, este ano ficaria pronta a Cuiabá-Santarém, interligando o centro-oeste ao oeste do Pará, na região de portos, Itaituba e Santarém. E, o mais tardar, no próximo ano, estaria terminando os mil quilômetros entre Marabá, Itaituba e Santarém. “Teríamos ali duas grandes rodovias integradoras de norte a leste e de oeste ao sul do Brasil”, acrescentou.

Infelizmente, continuou, “estamos lá com alguns milhões e em muitos trechos até buracos se abriram durante os pesados invernos e períodos chuvosos. As empresas se retiraram e ficaram aqueles buracões no meio da rodovia, por exemplo, entre Altamira e Medicilândia, 86 quilômetros. Demoramos muito, 5 anos, eu acompanhei passo a passo, foram cinco empresas. E agora os buracos estão lá. Faltam 60 dias para começarem as chuvas, as empresas foram embora e dizem que só vão voltar quando houver os R$ 20 milhões, que é o que eles precisam para terminarem as obras”, lamentou.

Zé Geraldo disse que poderia ficar um dia todo só falando dos programas que foram interrompidos nesse governo golpista, como o fechamento das farmácias populares ou a redução do Programa Minha Casa, Minha vida. “Mas vou dizer somente que foi isso que esse golpe produziu. Foi isso que essa irresponsabilidade política de homens corruptos como Eduardo Cunha, Aécio Neves e Temer produziu para o Brasil”, conclui.

Vânia Rodrigues

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

PT e PSOL cobram do governo Bolsonaro explicações sobre ‘boquinha’ para irmãos Weintraub na OEA e no Banco Mundial

O deputado Rogério Correia (PT-MG) e a deputada Áurea Carolina (PSOL-MG) protocolaram hoje…