Home Portal Notícias Manchetes Debate aponta para descaso com preservação da biodiversidade

Debate aponta para descaso com preservação da biodiversidade

4 min read
0

A Comissão de Meio Ambiente e Sustentabilidade da Câmara dos Deputados realizou, nesta terça-feira (3), um seminário com objetivo de debater as Percepções e Experiências dos Povos Indígenas no Contexto das Mudanças Climáticas. A iniciativa foi do presidente do colegiado, deputado Nilto Tatto (PT-SP). Ele afirmou que as experiências e contribuições que os povos indígenas veem trazendo para o Brasil e o comprometimento com a preservação da biodiversidade e das florestas, mostram que podemos ter esperança. “ Nós encontraremos uma saída. Esses debates são importantes e precisam ganhar mais adesão da sociedade brasileira”, afirmou.

O líder indígena Ailton Krenak explicou que as mudanças do clima estão acontecendo em consequência do aquecimento da terra e estão atingindo diferentes regiões do planeta. “Diversos relatórios de divulgação do painel do clima mostram que a sociedade acredita que os dados são apenas estatísticas o que, na verdade, não é. Trata-se de um indicador real, nós estamos perdendo cada vez mais qualidade de vida e o direito de viver”, afirmou.

Krenak denunciou os diversos ataques que os indígenas estão sofrendo do estado brasileiro. “Em decorrência dos descumprimentos dos princípios da Constituição, que protegem a natureza, a sociedade não está observando a destruição das nossas florestas, o empobrecimento do solo e a liquidação da biodiversidade que estava sendo preservada há mais de 500 anos”, lamentou.

Já o deputado Nilto Tatto lembrou e condenou a CPI do Incra/Funai, que durou quase dois anos e foi utilizada para criminalizar e intimidar as lideranças indígenas. “O resultado dessa CPI foi o indiciamento de mais de 100 pessoas, entre eles técnicos da Funai, do Incra e lideranças indígenas que lutam pela terra e pela reforma agrária. O mais alarmante, é que essa CPI serviu para fazer avançar propostas que vão contra os direitos indígenas, quilombolas e a reforma agrária”, disse.

Para o deputado João Daniel (PT-SE), as grandes corporações querem transformar a terra, a todo custo, em um bem de capital para negócios. “ Nesse plano não existe espaço para os quilombolas, indígenas, posseiros, seringueiros e para homens e mulheres do campo. A bancada ruralista só enxerga as multinacionais e as exportações e tenta impor as suas regras, que nada mais são do que uma violência contra os povos tradicionais ”, criticou.

Layla Andrade

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Deputados criticam revisão de formulário autodeclatório para agricultor familiar

Deputados e representantes do setor questionam o excesso de informações exigidas e critica…