Home Portal Notícias Manchetes INSS depositou mais de R$ 1,1 bi em benefícios para pessoas mortas

INSS depositou mais de R$ 1,1 bi em benefícios para pessoas mortas

5 min read
0

O Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) teve um rombo de R$ 1,1 bilhão, em 2016, com pensões e aposentadorias pagas para pessoas mortas. No final do ano passado, o déficit previdenciário passou de R$ 149 bilhões, o pior dos últimos 22 anos. A informação é de relatório do Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União.

De acordo com o relatório, o rombo pode ser dividido de duas formas. A primeira é o pagamento dos benefícios para pessoas mortas. Grande parte dos beneficiários recebe o dinheiro por meio de bancos cadastrados, ou seja, o depósito é feito diretamente na conta dos titulares. Quando o beneficiário morre, os cartórios têm até o dia 10 do mês seguinte para informar ao INSS e este suspende o envio do dinheiro. Porém, a suspensão nem sempre acontece de forma automática, algumas levam meses.

Segundo um levantamento feito em 2016, o INSS pagou benefícios para mais de 100 mil pessoas que estavam mortas. Destas, cerca de 1200 haviam falecido no ano de 2005 e recebiam os benefícios normalmente em 2016.

A segunda parte da explicação sobre o rombo trata da dificuldade que o INSS tem para reaver os valores que foram depositados. De R$ 1,1 bilhão pago para mortos, apenas R$ 119 milhões foram recuperados, isso representa cerca de 10% do total. Em alguns casos, os bancos alegam que não podem devolver os valores por causa do sigilo bancário. Ainda segundo o relatório, o INSS não conseguiu informar ao Ministério da Transparência quantos processos já havia movido para reaver recursos pagos para pessoas mortas.

Porém, segundo o INSS, “os benefícios são cessados de forma automática, com base nos dados transmitidos pelos cartórios”. A Federação Brasileira dos Bancos (Fenaban) informou que “os bancos têm apoiado o INSS para evitar o pagamento de benefícios para pessoas que faleceram”.

Para o deputado Zeca Dirceu (PT-PR), o pagamento dos benefícios para pessoas mortas é inaceitável. “Isso é um grande problema. Houve casos de benefícios atrasados em cidades do Brasil e todo esse valor foi depositado nas contas de pessoas que morreram faz anos”, disse o parlamentar.

Os depósitos desnecessários vieram à tona justamente no período em que tanto se discute a Reforma da Previdência e a tentativa do Governo Federal de aprová-la. E um dos principais argumentos usados é o déficit de R$ 187 bilhões em 2017, segundo o governo Temer.

“A Reforma da Previdência não é o único caminho para equilibrar as contas do INSS. Ela fere os direitos dos trabalhadores de forma direta. É preciso obter um controle sobre esses benefícios pagos de forma inadequada. O povo não pode pagar por isso também”, pontuou Zeca Dirceu.

(AP com informações do Uol Economia)

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Petistas apelam para Câmara votar projeto que suspende despejos durante a pandemia

A deputada Natália Bonavides (PT-RN) e o deputado Paulo Teixeira (PT-SP) fizeram um apelo …