Home Portal Notícias Manchetes Petistas defendem dignidade para mães usuárias de drogas  

Petistas defendem dignidade para mães usuárias de drogas  

6 min read
0

A retirada compulsória de bebês de mães usuárias de drogas e moradoras de rua em Belo Horizonte (MG) foi denunciada em audiência pública nas comissões de Seguridade Social e Família, e de Direitos Humanos e Minorias (CDHM), nesta terça-feira (5). Ocorreram mais de 300 casos na cidade desde 2014.

A defensora pública da Vara dos Direitos Humanos de Minas Gerais, Júnia Roman Carvalho afirmou que a questão não é exclusiva de BH, mas tem grande incidência na cidade.

Ela explicou que, em 2014, foram editadas duas recomendações do Ministério Público da Infância e Juventude de Belo Horizonte que determinavam a comunicação obrigatória de que a gestante fazia uso de substâncias químicas e a posterior retenção das crianças na maternidade até decisão da Justiça sobre a questão.

Já a recomendação da Defensoria Estadual da Infância e Juventude e da Defensoria Federal de Direitos Humanos – editada no mesmo ano, em resposta às do MP – denunciava a “grave violação aos direitos humanos” que era a retenção das crianças na maternidade e seu envio precoce a abrigos.

Posteriormente, foi editada a Portaria 3/16, do Juiz da Infância e Juventude de Belo Horizonte, que reiterava a posição do MP. Segundo a defensora Júnia Roman Carvalho, essa portaria, suspensa pelo próprio juiz há cerca de um mês, traz uma “desqualificação de famílias com pessoas com dependência química ou trajetória de rua”.

Segundo a presidente do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda), Fabiana Arantes Gadelha, 102 crianças foram retiradas das mães e enviadas para acolhimento por abrigos – e, na maior parte dos casos, postas para adoção – somente em 2016, por serem filhas de usuárias de drogas e moradoras de rua.

O deputado Paulão (PT-AL), presidente da CDHM, destacou que a violação de direitos humanos atinge sobretudo as mulheres pobres, negras e vulneráveis. Segundo ele, os direitos dos recém-nascidos devem ser conciliados com os direitos das mães.

Para o deputado Adelmo Leão (PT-MG), que sugeriu a audiência, o Estado pode e deve identificar a grávida em situação de vulnerabilidade, acompanha-la até o momento do parto e, já nesse tempo, analisar que medida pode ser tomada. “A mãe ao ter um filho em uma situação de vulnerabilidade e dependência pode ter nesse momento, em que a afetividade facilita para que ela mude, que ela suba no degrau da dignidade. No momento em que você aparta, a mulher é jogada para uma situação ainda mais profunda, é a perda dos seus valores. Ao invés de acolher a criança apartando da mãe, é acolher a criança com a mãe”, disse.

“No Brasil existe um modelo de exclusão para negros, pobres e para os que estão em situação de vulnerabilidade, a lei vem para punir, enquanto no setor das elites dominantes, as leis são para proteger”, disse.  Para ele, é necessário que o Estado garanta que essas pessoas tenham sua dignidade garantida.

PT na Câmara com  Agência Câmara

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Petistas apelam para Câmara votar projeto que suspende despejos durante a pandemia

A deputada Natália Bonavides (PT-RN) e o deputado Paulo Teixeira (PT-SP) fizeram um apelo …