Home Portal Notícias Petistas manifestam apoio à demarcação de terras de povos tradicionais

Petistas manifestam apoio à demarcação de terras de povos tradicionais

5 min read
0

Vários parlamentares da bancada do PT ocuparam a tribuna da Câmara para manifestar apoio às comunidades quilombolas e indígenas que, desde terça-feira (15), realizam vigília em Brasília em defesa da demarcação de suas terras. A mobilização visava pressionar o STF no julgamento de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI- 3.239/04) – impetrada pelo Democratas- que contesta um decreto do então presidente Lula (nº 4.887/03), que regulamenta a demarcação de terras quilombolas. Porém, o julgamento marcado para esta quarta (16) foi adiado.

A deputada Benedita da Silva (PT-RJ) destacou que o direito à posse da terra é garantido pela Constituição. “Eu faço questão de ler o art. 68 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias: Aos remanescentes das comunidades dos quilombos que estejam ocupando suas terras é reconhecida a propriedade definitiva, devendo o Estado emitir-lhes os títulos respectivos”, informou.

Já o deputado Valmir Assunção (PT-BA), registrou o apoio do governo da Bahia à mobilização dos quilombolas.  “A Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial do Governo da Bahia participou intensamente da articulação e da mobilização. Quero parabenizar a Secretária Fábia Reis, que veio a Brasília para acompanhar o julgamento, que foi suspenso. Espero que o STF julgue a favor dos povos quilombolas e estará fazendo justiça no País”, disse.

Já o deputado Luiz Sérgio (PT-RJ) ressaltou que a ação do DEM contestando o decreto do ex-presidente Lula “gera intranquilidade” aos quilombolas. “Isso preocupa todos nós porque já temos uma crise e uma instabilidade social, uma violência enorme. Esse decreto regulamentou algumas áreas, as pessoas estão lá assentadas, vivendo suas vidas calmamente. Isso gera uma intranquilidade e nós precisamos de paz! ”, ressaltou.

Já o deputado Léo de Brito (PT-AC) criticou a tese do marco temporal defendida pelo governo para não reconhecer a demarcação das terras indígenas e quilombolas.

“Segundo essa tese inconstitucional, os povos indígenas só teriam direito às terras que estavam sob sua posse em 5 de outubro de 1988. Os ruralistas querem que o marco temporal seja utilizado como critério, o que inviabilizaria a demarcação de terras que ainda não tiveram seus processos finalizados”, apontou.

Ao também se somar a luta pela demarcação das terras indígenas e quilombolas, a deputada Maria do Rosário (PT-RS) disse que apenas uma decisão favorável às comunidades indígenas e quilombolas pode promover a justiça. “Se não vier a ser comprovado o direito dessas comunidades às terras de seus povos, que são os povos originários da formação brasileira, teremos uma grande injustiça instituída no Brasil”, disse.

 

Héber Carvalho

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Bolsonaro ignora o povo: 10 milhões de brasileiros pediram e até hoje não receberam ajuda emergencial

“O governo não sabe operar o auxílio emergencial esta é a verdade”, critica a presidenta d…