Home Portal Notícias Outras notícias Reforma Política avança em comissão e PT protesta contra “Distritão”

Reforma Política avança em comissão e PT protesta contra “Distritão”

11 min read
0

A comissão especial da Câmara que analisa os temas constitucionais que fazem parte da reforma política (PEC 77/16) aprovou, em duas reuniões realizadas na quarta (9) e quinta-feira (10), os principais pontos que alteram o sistema eleitoral e político brasileiro. Com o voto contrário da bancada do PT no colegiado, foi incluído no parecer do deputado Vicente Cândido (PT-SP) a adoção do voto majoritário – “Distritão” – para eleger deputados federais e estaduais em 2018, além de vereadores nas eleições de 2020. Sob protesto da bancada do PT, a comissão também aprovou a adoção do voto distrital misto a partir das eleições de 2022.

Em relação ao financiamento de campanha, foi aprovado o texto de Cândido- desta vez com o apoio petista- que institui o Fundo Especial de Financiamento da Democracia (FFD). O FDD vai custear as campanhas eleitorais com 0,5% das receitas correntes líquidas do orçamento, o que corresponde hoje a cerca de R$ 3,6 bilhões. Por falta de quórum, a comissão especial não concluiu a votação do parecer. Ainda faltam votar três destaques, que serão analisados na próxima terça-feira (15). A reunião está marcada para as 14h30, no plenário 8.

Já o “Distritão”, que não fazia parte do relatório de Vicente Cândido, foi introduzido ao texto final da comissão por meio de um destaque aprovado com 17 votos favoráveis e 15 contrários. A iniciativa foi bancada pelo PMDB, com apoio do PSDB, do DEM, do PP e do PSD.

Durante os debates, o “Distritão” foi duramente criticado pelo PT e outros representantes de partidos que compõem a Frente Ampla contra a adoção do sistema. Além de parlamentares da oposição (PT, PC do B e PSOL) também fazem parte do grupo partidos da base governista (PR, PRB e PHS), além de deputados do PSD, do PDT e da Rede.

“Eu chamo esse modelo, o ‘Distritão’, que existe apenas no Afeganistão e em outros poucos países do mundo (Jordânia, Vanuatu e Pitcairn), de seguro reeleição porque estimula o lançamento de poucos candidatos, qual sejam, os que já tem mandato. Isso impede a renovação do parlamento, que é a vontade da população”, alertou o deputado Henrique Fontana (PT-RS).

O “Distritão” elege para os legislativos os candidatos mais votados, sem levar em conta a soma total de votos recebidos pelo partido, como ocorre atualmente pelo sistema proporcional. Após a inclusão do “Distritão” no relatório, Vicente Cândido desabafou sobre as reais intenções escondidas por trás da escolha do novo modelo.

“O que foi aprovado é uma reforma para os políticos, para os mandatos, e não para a sociedade”, disse.

Distrital Misto-   A comissão aprovou ainda a adoção do voto distrital misto para as eleições de deputado federal, estadual e vereador a partir de 2022. Por este sistema o eleitor votaria duas vezes: em um candidato do seu distrito e na lista pré-ordenada dos partidos políticos. Dessa forma, os parlamentos seriam formados por candidatos eleitos pelas duas formas.

A votação, que ocorreu por aclamação (quando os deputados não precisam registrar o voto nominalmente), foi muito contestada por parlamentares do PT e do PSOL. Segundo eles, havia um acordo pré-determinado com o presidente do colegiado, deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), de que em temas importantes a votação fosse nominal.

Financiamento de campanha– Também aprovado pela comissão, o Fundo Especial de Financiamento da Democracia (FFD) passa a custear as campanhas eleitorais já nas eleições de 2018. A única alteração no relatório apresentado por Vicente Cândido foi a retirada do texto da regra que remetia para as direções partidárias a definição de critérios para a distribuição dos recursos.

Alterações– Apesar de aprovado inicialmente pela comissão, o relatório sofreu modificações. Dois destaques do PP retiraram do texto o fim dos cargos de vice-presidente, vice-governador e vice-prefeito e da figura do suplente de senador. Pela proposta de Vicente Cândido, os vices seriam substituídos pela linha de sucessão definida pela Constituição e o suplente de senador pelo deputado federal mais votado do partido.

Conheça outros pontos da reforma política aprovados na Comissão da PEC 77/16

Mandatos nos tribunais superiores– Pelo texto, os indicados políticos para tribunais superiores (por exemplo, o STF) passarão a ter 10 anos de mandato. Hoje esses indicados ficam até a aposentadoria, aos 75 anos.

Reeleição– O parecer modifica as regras de reeleição para quem suceder presidente da República, governadores de Estado e prefeitos. Agora, quem ocupar estes cargos por período inferior a seis meses perde o direito a reeleição.

Vacância– No caso de vacância nos cargos de presidente, governador e prefeito somente haverá eleição indireta se o fato ocorrer no último ano de mandato. Nos casos contrários, a eleição deverá ocorrer em 90 dias. Atualmente, a Constituição prevê eleição direta apenas se não for ultrapassado a metade do mandato.

Data de posse– Prefeitos e governadores passam a tomar posse no dia 6 de janeiro, e o presidente da República no dia 7 de janeiro. Hoje a posse ocorre no dia 1º de janeiro do ano subsequente à eleição.

Tempo mandato– Para o Presidente da República e os governadores eleitos em 2018, o mandato terá início em 1º de janeiro de 2019, e o término no dia 6 de janeiro de 2023. Já os prefeitos eleitos em 2020, exercerão mandato entre 1º de janeiro de 2021 e 6 de janeiro de 2025.

Data de eleição– A realização das eleições em 2º turno (para prefeito, governador e presidente da República) ocorrerá no 3º domingo após a realização do 1º turno, que permanece no primeiro domingo de outubro. Hoje, o 2º turno é realizado no último domingo do mês em que foi realizado no 1º turno.

Heber Carvalho

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

João Daniel denuncia que regularização fundiária proposta por Bolsonaro acentua injustiça agrária

A preocupação com a medida provisória (MP 910/19), editada esta semana pelo governo federa…