Home Portal Notícias Manchetes Governo congela o Bolsa Família e penaliza os mais pobres

Governo congela o Bolsa Família e penaliza os mais pobres

4 min read
0

O governo ilegítimo de Michel Temer congelou o orçamento do programa Bolsa Família. Segundo informações publicadas sábado (1º), assessores da Presidência da República alegaram que aumentar o orçamento do Bolsa Família em 4,6%, como estava previsto a partir de julho, teria um impacto de R$ 800 milhões para os cofres públicos. “A decisão é uma perversidade com os mais pobres e com o Brasil”, criticou o deputado Patrus Ananias (PT-MG), ex-ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome do governo Lula.

Patrus Ananias, que foi responsável pela implementação do Bolsa Família, disse que é “muito triste ver essa ofensiva contra os menos favorecidos” e alertou que retirar recursos do Bolsa Família é asfixiar toda a rede de proteção social que foi construída pelos governos Lula e Dilma. “É uma medida lamentável, mas não é supressa porque esse é um governo que tem como meta desmontar todos os direitos e conquistas dos trabalhadores e dos mais vulneráveis”, criticou.

Na avaliação do deputado do PT mineiro, esse desgoverno, nesse cenário, vai trazer de volta ao Brasil a fome e a miséria. “O Bolsa Família teve um papel fundamental para incluir milhões de brasileiros, acabar com a fome, com a desnutrição, com os retirantes, com a evasão escolar e com a saúde preventiva porque foi criada uma rede de proteção social, na qual o programa era o carro chefe, explicou. Ele acrescentou ainda que a decisão prejudica também os pequenos municípios que têm a sua economia sustentada pelos recursos do Bolsa Família.

A ex-ministra do Desenvolvimento Social do governo Dilma, Tereza Campello, também criticou o congelamento dos recursos do Bolsa Família. Em conversa com o Site Vermelho, a ex-ministra afirmou que trata-se de uma “estratégia burra” porque “a saída para a crise teria que ser aumentar a renda da população e com isto fortalecer o mercado interno. Nossa maior riqueza são os 210 milhões de brasileiros. Com renda, a população voltaria a consumir e reaqueceria a economia”, avaliou.

Para Tereza Campelo, isso deve ser visto como investimento, não como gasto. “É num momento de decisão sobre as prioridades orçamentárias que se vê a quem o governo é servo: se do povo ou dos banqueiros”. E lembra que durante a crise internacional de 2008, o governo Lula optou justamente por fomentar a economia através da distribuição de renda.

 

 

PT na Câmara com Site Vermelho

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

MST lança Plano Emergencial de Reforma Agrária Popular em todo País

Os deputados do Núcleo Agrário da Bancada do PT na Câmara dos Deputados, Valmir Assunção (…