Audiência pública debate respeito aos direitos humanos dos palestinos

0

A implementação do Estado Palestino- com a cidade de Jerusalém como a capital do País- além do repúdio às violações dos direitos humanos dos palestinos pelo estado de Israel foram os principais temas debatidos na audiência pública da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) da Câmara, em comemoração ao Dia Mundial de Al-Quds ou Jerusalém, na língua árabe. Na reunião presidida pela vice-presidente da CDHM, deputada Erika Kokay (PT-DF), compareceram representantes de entidades defensoras da causa palestina e dos direitos humanos, além dos embaixadores do Irã e da Bolívia.

O Dia de Al-Quds é um evento anual realizado na República Islâmica do Irã, e em outros países ao redor do mundo, instituído pelo Aiatolá Khomeini, em 1979, após a revolução iraniana que derrubou o então comandante (pró-ocidente) do país, o Xá Reza Palevi. A data foi adotada para expressar solidariedade ao povo palestino e oposição ao sionismo, e também como forma de protesto contra o controle de Jerusalém por Israel. O dia de Al-Quds é comemorado na última sexta-feira do mês de Ramadã, que em 2017 será no próximo dia 23 de junho.

“A causa palestina é retratada pelo sofrimento de um povo sem terra, espalhado por todo o mundo, e ainda oprimido pelo brutal desrespeito aos direitos humanos praticado contra os palestinos por Israel, e que não reconhece a importância da Jerusalém histórica para esse povo, em um claro sinal de intolerância religiosa”, destacou Erika Kokay.

Já o embaixador da República Islâmica do Irã, Seyed Ali Saghaeyan, explicou que “há sete décadas o povo palestino vive expatriado ou imerso em conflitos provocados pelo regime sionista de Israel”. Entre as violações praticadas ele citou a instalação de assentamentos israelenses em terras palestinas e violações de mesquitas, além da limitação do direito de ir e vir.

“A solução da crise não será possível se não houver a resistência palestina até o fim da completa ocupação sionista e a volta dos expatriados a terra de seus antepassados, com a criação do Estado Palestino e tendo Al-Quds (Jerusalém) como a capital do País”, ressaltou.

A audiência pública contou também com a participação do embaixador da Bolívia, José Antônio Kinn; do presidente do Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz), Marcos Tenório; da vice-presidente da UNE, Luiza Calvette; e do secretário da Comissão de Direitos Humanos da Câmara Legislativa do Distrito Federal, Hamilton Pereira.

 

Héber Carvalho

Leia mais artigos relacionados
Load More By Assessoria
Load More In Notícias
Comentários estão fechados

Leia Também

CPMI deve investigar “farra” de delações, defendem petistas

Ao se pronunciarem na reunião da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) destinada …