Home Portal Notícias Ato em Belém repudia recrudescimento da violência no campo

Ato em Belém repudia recrudescimento da violência no campo

0

Militantes dos Direitos Humanos, parlamentares, artistas e representantes dos movimentos sociais realizaram uma série de atividades ao longo desta segunda-feira (20), em Belém (PA), para denunciar a escalada da violência no campo e para afirmar que não haverá nenhum minuto de silêncio pelos mortos na luta pela terra, até que se faça justiça. Foram reuniões, seminários e manifestações para lembrar que o momento é de dor, mas também de resistência e de luta para evitar novas chacinas como a de Pau D’Arco, no sudoeste do estado, ocorrida em maio passado, quando 10 trabalhadores rurais foram assassinados pela polícia.

O deputado Paulão (PT-AL), presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minoria da Câmara, participou do seminário – Pela Democracia e Contra a Violência no Campo – e afirmou que a violência e a criminalização dos movimentos sociais, em especial do campo, é reflexo da cultura de intolerância e do ódio que foi potencializada com o golpe que retirou uma presidenta eleita do poder.

“A elite brasileira e o agronegócio não suportaram os avanços conquistados nos governos Lula e Dilma. Não conseguiram conviver com um Estado forte, com políticas sociais e de inclusão. Com o golpe, a panela de pressão explodiu e, lamentavelmente, estamos vendo a desconstrução dos direitos trabalhistas, sociais e humanos, além do desmonte dos avanços na questão da terra”, reforçou Paulão. Ele acrescentou que somente a união dos movimentos sociais e dos políticos de esquerda serão capazes de reverter essa escalada de “ódio e violência”.

O deputado Nilto Tatto (PT-SP), presidente da Comissão do Meio Ambiente e que coordenou a Bancada do PT na CPI Funai/Incra, ressaltou que estão em xeque, com o golpe, todos os direitos coletivos conquistados ao longo dos últimos anos. “Os direitos sociais, humanos e trabalhistas ficam em xeque quando tomam o poder e priorizam o mercado, a iniciativa privada. Essa é a sinalização, a carta branca para que setores do meio rural atuem com violência”, afirmou.

O deputado Beto Faro (PT-PA) lamentou o momento grave que o Brasil vive, falou do desmonte do Incra e da Funai, que paralisaram todas as ações da reforma agrária. “Além da resistência é preciso ficar de olho na agenda legislativa. No Congresso Nacional tramitam leis que retiram direitos e retrocedem nos avanços”. Como exemplo ele citou a aprovação da Medida Provisória 759, que trata da regularização fundiária.

“Entre outros retrocessos, a medida permite a emancipação dos assentamentos sem a infraestrutura e libera a titulação com o claro objetivo de ver essa terra ser vendida para os grandes fazendeiros”, denunciou.

O deputado Zé Geraldo (PT-PA) também criticou o sucateamento do Incra e da Funai e lamentou o fato de os movimentos sociais e as lideranças políticas estarem se reunindo para discutir chacinas e conflitos no campo. “Infelizmente estamos retrocedendo, depois de ter avançado na agricultura familiar, nos assentamentos e nos créditos para a produção dos pequenos produtores”. Ele se somou aos demais parlamentares que pediram unidade na luta na resistência.

Artista – Também nesta segunda-feira, artistas e representantes dos movimentos sociais se reuniram no Palácio dos Despachos, sede do governo do Pará, com o governador em exercício, Zequinha Marinho, e autoridades da área de segurança pública, para debaterem os conflitos no campo, em especial a chacina de Pau D’Arco.

O ator Osmar Prado disse ser “desagradável vir ao Pará em um momento tão trágico” e relacionou o aumento dos conflitos no campo com a atual situação do Brasil. “Os desdobramentos que ocorrem estão relacionados ao contexto político. Quando se destitui uma presidenta legitimamente eleita, abre-se as portas para os desmandos”, afirmou.

 

Vânia Rodrigues

Leia mais artigos relacionados
Load More By Assessoria
Load More In Notícias
Comentários estão fechados

Leia Também

Parlamentares denunciam “falência do Brasil”

Os deputados Erika Kokay (PT-DF) e Ságuas Moraes (PT-MT) ocuparam a tribuna da Câmara, na …