Home Portal Notícias Entrevistas Privatização de satélite prejudica interesses nacionais, denuncia Zarattini

Privatização de satélite prejudica interesses nacionais, denuncia Zarattini

0

O líder do PT na Câmara, deputado Carlos Zarattini (SP), voltou a condenar o governo ilegítimo de Michel Temer por anunciar a privatização de um satélite geoestacionário recém lançado, que custou R$ 2,2 bilhões aos cofres públicos. Em entrevista ao jornalista Paulo Henrique Amorim, do site Conversa Afiada, Zarattini observou que a privatização faz o Brasil voltar à estaca zero em termos de soberania nacional na área de telecomunicações, além de comprometer o Plano Nacional de Banda Larga. Criticou Temer também por abrir mão da soberania nacional, entregando a estrangeiros outras áreas estratégicas para os interesses do País.

Leia os principais pontos da entrevista:

 

Paulo Henrique Amorim: Como se pretende privatizar o satélite?

Carlos Zarattini – O satélite foi construído para garantir a segurança das Forças Armadas. Em 1998, Fernando Henrique Cardoso privatizou a Embratel e, junto, o satélite que fazia as comunicações das Forças Armadas.  Essa comunicação passou a ser feita por um satélite nas mãos de um estrangeiro, o mexicano Carlos Slim. O satélite é para garantir também o Plano Nacional de Banda Larga (PNBL), alcançando todo o espaço geográfico brasileiro. O satélite foi feito em parceria entre a Embraer, a Telebras e uma empresa francesa. Foi contratado e produzido durante o governo Dilma. E agora o governo anuncia que vai privatizar justamente a parte da internet banda larga. Passará para alguma empresa privada um satélite que custou R$ 2,2 bilhões. Depois da batalha da reestruturação da Telebras, para podermos administrar com autonomia e soberania o satélite e o PNBL, garantindo o acesso democrático de muitos provedores por intermédio de uma infraestrutura pública, voltamos à estaca zero.

P – Isso pode comprometer as Forças Armadas?

R – Não sabemos exatamente quais os limites da privatização. Leilão é pela maior oferta, é o que o governo atual quer, com seu objetivo arrecadatório. Mas não sabemos as condições. Queremos barrar esse edital. Entramos na Justiça e no Ministério Público, junto com outros parlamentares. Queremos a paralisação do processo de privatização e também uma investigação. A situação é a seguinte: a Telebras foi reerguida pelo governo Dilma e obteve direito de colocar o satélite no ar. A Anatel autorizou. Por ser a Telebras empresa pública, foi barato. Agora empresas privadas querem ganhar com isso.  Há riscos de inviabilizar o PNBL, cujo objetivo é permitir acesso à internet à população em regiões remotas do País e até em grandes centros.

 

P- Quem vai se beneficiar dessa privatização?

R- Grupo nacionais ou estrangeiros. Vão poder disputar sem nenhum compromisso nacional ou com o PNBL, mantendo a internet apenas para setores lucrativos, como é hoje. Foi para democratizar o acesso à internet que Dilma fez o PNBL e garantiu a construção do satélite que Temer quer privatizar.

 

P- O governo poderá exigir que levem o PNBL?

R-  Não temos visto nenhuma ação deste governo que seja democratizadora.  Não há ideia de democratizar o Estado e baratear custos. O interesse é dos monopólios, não da população.

 

P- Qual a analogia entre a privatização do satélite e o uso da Base de Alcântara?

R – Temos visto que o governo, de forma geral, na área de defesa, voltou a ter uma aproximação com os EUA. Não que os governos Dilma e Lula tivessem rixa com os EUA.  Mas havia política a partir de nossos interesses nacionais e de nossa soberania. Primeiro os nossos interesses, sem nos submeter a orientações de países como os EUA. Estamos voltando atrás na política externa e de defesa. Vamos acabar tendo de tirar sapato para entrar nos EUA.

Alcântara é uma base estratégica. Se voltarmos à negociação nos submetendo aos interesses dos americanos, vamos praticamente abandonar nosso programa aeroespacial. A Base fica próxima à linha do Equador, barateando o lançamento de satélites. Pode render recursos para o País. Se transferir para os EUA, vamos perder fonte de receita.

 

PT na Câmara

Leia mais artigos relacionados
Load More By Assessoria
Load More In Entrevistas
Comentários estão fechados

Leia Também

Trabalhador vai pagar a conta do “rombo fiscal” de Temer

Deputados da Bancada do PT repudiaram nesta quarta-feira (16) o aumento do déficit fiscal …