Home Portal Notícias Artigos Reginaldo Lopes: Novo capítulo do golpe contra Lula

Reginaldo Lopes: Novo capítulo do golpe contra Lula

0

Em artigo, o deputado Reginaldo Lopes (PT-MG), alerta para mais um golpe contra o povo brasileiro, desta vez, por orientação do presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), que trabalha para adiar, por dois anos, os atuais mandatos republicanos, dos parlamentares (federais e estaduais), governadores e presidente, previstos, constitucionalmente, para serem renovados em 2018. A medida, analisa, agora tenta evitar a chegada de Lula ao poder em 2018.

Leia a íntegra:

 

Novo capítulo do golpe contra Lula

Estamos assistindo horrorizados ao início de mais um capítulo da novela do golpe parlamentar fascista que a direita antinacional brasileira deu para derrubar, em 2016, a presidenta Dilma Rousseff, eleita por 54 milhões de votos, e agora tenta evitar a chegada de Lula ao poder em 2018.

Por orientação do presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), começou a ser instalada comissão especial com objetivo obscuro, sinistro, de adiar, por dois anos, os atuais mandatos republicanos, dos parlamentares (federais e estaduais), governadores e presidente, previstos, constitucionalmente, para serem renovados em 2018.

Está no ar falso argumento segundo o qual facilita realização de reforma política fundamental ao País coincidir mandatos republicanos gerais – presidente, governadores, parlamentares, prefeitos – em 2020, para, até lá, vencer a crise política e econômica que essa mesma direita aprofunda com seu programa macroeconômico antinacionalista, entreguista, neoliberal.

Evidentemente, trata-se de desdobramento do golpe em marcha, com sua lógica antidemocrática, de modo a impedir a candidatura do presidente Lula, que, nas pesquisas do dia a dia, vai se tornando imbatível, quanto mais o povo conscientiza-se de que foi, com o golpe, politicamente, logrado.

A greve geral do dia 28 de maio representou sinal vermelho ao golpe, dada a percepção social de repúdio às consequências desse atentado à democracia, contra a qual houve colaboração do próprio judiciário, em indisfarçável aliança com a direita parlamentar, para levar ao Planalto o presidente ilegítimo Michel Temer, amplamente rejeitado pelas pesquisas.

O movimento grevista vitorioso colocou em xeque as contrarreformas de Temer, ao mesmo tempo em que cresceu e continua se expandindo exponencialmente, na população, o desejo pela volta de Lula, para promover retomada da economia e restabelecer os direitos trabalhistas e previdenciários que as contrarreformas neoliberais roubam, descaradamente, dela.

A tentativa de aprofundamento do golpe antinacional direitista antidemocrático, indisfarçavelmente, visa garantir mais dois anos de mandato a Temer.

Forças nacionais e internacionais estão interessadas nisso.

Essencialmente, objetivam suprimir direitos e garantias políticas de todo o povo brasileiro, para apressar transferência de riqueza social, assegurada, constitucionalmente, para os capitalistas ávidos de acumulação e centralização de capital e de poder.

Como tal tentativa jamais seria alcançada pelos golpistas por meio de programa político disputado eleitoralmente, e os assaltantes do patrimônio público têm pressa para concluir o assalto pirata inconstitucional, o jeito encontrado é prosseguir com o golpe, como arma política.

Para tanto, está a postos base governista majoritária, arregimentada na base da pressão e da chantagem, de modo a dilatar os atuais mandatos.

 

Tenta-se criar condições para a continuidade do programa antinacionalista que Temer acelera ao máximo possível, a partir de iniciativa econômica suicida, como a de congelar, por vinte anos, gastos públicos, sem os quais a economia não alavanca, sustentavelmente.

Para alcançar esse objetivo antinacional, os golpistas sabem perfeitamente que precisam produzir fatos que impeçam a manifestação popular contra esse absurdo econômico, verdadeiramente, suicida, acompanhado das iniciativas, igualmente, desastrosas, das contrarreformas trabalhista e da previdência.

A gênese da iniciativa parlamentar golpista favorável à instalação da comissão especial para tentar adiar mandatos se assenta, portanto, na pretensão constitucional ditatorial de remover o livre jogo democrático, jogado nas ruas, no debate, no voto, na urna, para dar lugar à obscuridade das decisões articuladas nos bastidores do poder, regadas pelo dinheiro e corrupção eleitoral.

É preciso desnudar essa onda golpista, como lógica do exercício do poder instalado, no Brasil, depois do impeachment sem crime de responsabilidade para caracteriza-lo, contra Dilma, de modo a entender, porque, paralelamente, a esse novo atentado antidemocrático contra a Constituição, em marcha, na Câmara, está sendo intensificada caçada humana para tentar abater Lula e impedir seu retorno ao poder pelo voto popular.

A armação ridícula do depoimento de Renato Duque, no âmbito da Operação Lava jato, para incriminar o presidente dos trabalhadores, reiteradamente, repetida na Globo, o braço midiático do golpe, não convence nem uma criança.

A postura do parcial juiz Moro evidenciou-se patética.

Foi altamente comprometedora sua atitude de se negar a exigir, como juiz, do depoente, para ser mais preciso em suas denúncias, indesmentivelmente, frouxas e inconsistentes contra Lula.

Um detector de mentiras teria desmoralizado o delator, quando disse, sem apresentar provas, que encontrou, num hangar de aeroporto, com o presidente três vezes, depois de não mais trabalhar na Petrobras, pois, em tais oportunidades, já havia sido demitido do cargo de diretor da estatal pela presidenta Dilma Rousseff.

Nessas ocasiões, o presidente lhe indagou sobre contas e recursos depositados no exterior para encaminhamento de propinas.

Teria ou não sido verdadeiro idiota o presidente, repetido a indagação por três vezes, se já, na primeira, o delator dissera que não existiam os recursos transferidos?

Por que o juiz não fez essa ingênua pergunta ao delator?

Enfim, o comportamento duvidoso de Moro e sua obsessão em tentar pegar Lula de qualquer jeito sem ter as provas materiais concretas, ao longo de três anos, faz-nos correlacionar seu comportamento ao do presidente Maia, da Câmara, no que tem de essencial, ou seja, caçada a Lula.

Essa caçada humana, que evidencia perseguição política e temor à possibilidade de Lula voltar ao poder, somada às ações dos golpistas em andamento no parlamento, para evitar que sejam realizadas eleições livres e democráticas em 2018, induzem-nos a concluir o óbvio: constrói-se conjuntura política de conveniência pelas forças de direita, mais do que nunca interessadas em alterar o calendário eleitoral para adiar a permanência do ditador constitucional Temer no poder.

Temer e sua entourage temem as urnas, fogem dela como o diabo da cruz, pois sabem que serão derrotados.

Tentativa de adiamento das eleições mantém, portanto, os golpistas de mãos livres e sujas para ir aprofundando assalto aos direitos e conquistas sociais dos trabalhadores, de um lado, e entreguismo econômico, de outro, contra os quais a greve geral produziu sonoro NÃO da sociedade.

Leia mais artigos relacionados
Load More By Assessoria
Load More In Artigos
Comentários estão fechados

Leia Também

Parlamentares denunciam “falência do Brasil”

Os deputados Erika Kokay (PT-DF) e Ságuas Moraes (PT-MT) ocuparam a tribuna da Câmara, na …