Home Portal Notícias 35 milhões de brasileiros cruzam os braços na maior greve da história

35 milhões de brasileiros cruzam os braços na maior greve da história

6 min read
0

 

A greve geral desta sexta-feira (28), convocada por diversos movimentos e entidades populares, já é considerada pela Central Única dos Trabalhadores (CUT) como a maior mobilização da história do Brasil. Estima-se que cerca de 35 milhões de brasileiros deixaram de trabalhar.

Para o presidente da CUT, Vagner Freitas, essa é a maior greve trabalhista já realizada no País. Ele a comparou ao movimento de 1989, quando 35 milhões de trabalhadores paralisaram suas atividades. “Ainda não há estimativa, mas a mobilização vai ultrapassar esse número”, disse Freitas para o Congresso em Foco.

As mobilizações são para denunciar os cortes de direitos promovidos pelas propostas de reformular as leis trabalhista e previdenciária do governo golpista de Michel Temer (PMDB).

O líder do PT na Câmara, deputado Carlos Zarattini (SP), participou das manifestações no Largo do Batata, em São Paulo, e disse que a greve geral é uma grande vitória dos trabalhadores brasileiros. Em vídeo publicado em seu Facebook, destacou que a maior capital do País parou. Na avaliação do líder, Temer não reconhece a insatisfação dos brasileiros com o seu governo, porque vive isolado, em uma redoma de vidro. “Apenas 4% aprovam o seu governo”, lembrou Zarattini, se referindo à pesquisa do Ipsos, divulgada nesta semana.

Carlos Zarattini afirmou ainda que as manifestações contra o governo golpista e suas reformas não vão parar. “Vamos reagir a essas reformas que só retiram direitos dos trabalhadores. Vamos barrar a Reforma da Previdência no Congresso e vamos derrotar a Reforma Trabalhista no Senado”. O líder enfatizou que, na Câmara, a Reforma Trabalhista foi aprovada por uma margem muito apertada, em uma sinalização de que parte da bancada governista também é contra as reformas.

“A greve foi a maior da história do País. O protesto mais organizado, focado e diverso que vimos nos últimos tempos”, afirmou o líder da Minoria na Câmara, deputado José Guimarães (PT-CE). Ele destacou que a greve contra o governo reuniu amplos setores da sociedade: Igreja Católica, igrejas evangélicas, movimentos sociais e a população em geral. “O Brasil parou e parou porque o povo está contra esse governo, que vai tentar diminuir o impacto desta greve. Ela vai repercutir fortemente no Congresso Nacional. A PEC da Previdência foi para a lata do lixo, não passa. E os protestos de hoje vão influenciar o voto dos senadores na Reforma Trabalhista” reforçou.

Em sua conta no twitter, o deputado Arlindo Chinaglia‏ (PT-SP) destacou: “que esta greve mostre a todos os trabalhadores que o único caminho é a luta em defesa dos seus direitos. Nosso destino está em nossas mãos!”

Para o deputado Wadih Damous‏ (PT-RJ), a retomada da democracia e dos nossos direitos começou hoje com a greve geral. “Nosso lugar é nas ruas”, afirmou na sua conta no Twitter.

Também no twitter, o deputado Paulo Pimenta‏ (PT-RS) foi taxativo: “Só vamos parar quando derrotarmos esse governo golpista”.

Paralisação – Desde as primeiras horas da manhã desta sexta (28) já era possível sentir o clima em diversas cidades pelo País com as ruas vazias, metrôs e trens parados, além de fábricas fechadas, ônibus na garagem e rodovias trancadas.

A greve geral teve grande adesão nas mais variadas categorias de trabalhadores, afetando significativamente a mobilidade em São Paulo (SP), no Rio de Janeiro (RJ), Belo Horizonte (MG), Fortaleza (CE), Curitiba (PR) e em, praticamente, todas as grandes cidades brasileiras

PT na Câmara, com Brasil de Fato

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

MST lança Plano Emergencial de Reforma Agrária Popular em todo País

Os deputados do Núcleo Agrário da Bancada do PT na Câmara dos Deputados, Valmir Assunção (…