Home Portal Multimídia Dia de Luta, resistência e unidade contra a Reforma Trabalhista 

Dia de Luta, resistência e unidade contra a Reforma Trabalhista 

5 min read
0

Após um dia de intenso embate e resistência no plenário, a Bancada do PT na Câmara se manteve firme na luta para barrar o objetivo golpista da base do governo de “tratorar” e votar sem discussão a Reforma Trabalhista. O relatório do deputado Rogério Marinho (PSDB-RN) rasga 85 anos de história da Carteira de Trabalho – completados no último dia 21 de março – e aniquila quase integralmente a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), que completará na próxima segunda-feira – 1º de Maio – 74 anos de existência.

A maldade do governo golpista de Michel Temer contra os trabalhadores e trabalhadoras brasileiras reforça a necessidade de forte resistência na próxima sexta-feira (dia da greve geral) e na próxima segunda-feira (Dia do Trabalhador). O relatório posto em votação altera mais de 100 artigos da CLT e revoga outros 17, pondo fim a vários anos de conquistas inauguradas pelo ex-presidente Getúlio Vargas nas décadas de 1930 e de 1940. O texto principal foi aprovado por 296 a 177 votos.

Em uma intervenção histórica, o líder do PT na Câmara, deputado Carlos Zarattini (SP), chamou cada deputado e deputada ao microfone, onde discursava, e citou um a um com a respectiva declaração de voto contrária à reforma. “Vamos entrar num período de votação desse projeto criminoso que retira direitos dos trabalhadores. Por conta disso, a nossa Bancada do PT vai votar integralmente contra esse projeto. Quero chamar os deputados para fazerem aqui a sua declaração de voto”, conclamou o líder.

Em uma sessão marcada por várias manifestações em defesa dos trabalhadores e da CLT, parlamentares petistas combateram de forma veemente as declarações da base golpista de que a reforma não retira direitos e promove o emprego. “Nunca vi um relatório tão audacioso, tão prepotente e tão maior que o próprio rei. Parece que o relator foi lá nas catacumbas para pegar todos os projetos que estavam engavetados com objetivo de atender somente os direitos dos patrões”, criticou o líder da Minoria, deputado José Guimarães (PT-CE).

A comprovação mais contundente de que a Câmara se ajoelhou diante dos patrões foi divulgada pelo deputado Zarattini. Ele mostrou que, das 850 emendas apresentadas ao relatório, 292 delas – de autoria de 82 deputados – foram integralmente redigidas pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), pela Confederação Nacional das Instituições Financeiras (CNF), pela Confederação Nacional do Transporte (CNT) e pela Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística – todas entidades patronais.

“Ou seja, 82 deputados não tiveram condições sequer de redigitar as emendas que apresentaram. Apenas pegaram os arquivos que vieram das empresas e assinaram como emendas suas. Ora, temos deputados aqui acusados na Lava Jato de ter vendido emendas. Cuidado! Os senhores estão servindo a seus patrões de forma despudorada.

Esse relatório é o relatório da CNI, das entidades patronais, não serve aos trabalhadores. Quem fez esse projeto foram os patrões que querem explorar os trabalhadores brasileiros”, protestou Carlos Zarattini.

Tarciano Ricarto

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Leo de Brito cobra medidas urgentes do governo federal para evitar apagão no Acre

O deputado federal Leo de Brito (PT-AC) protocolou na quarta-feira (25), requerimento junt…