Home Portal Notícias Outras notícias Rossetto diz que reforma trabalhista não vai recuperar emprego em política econômica suicida

Rossetto diz que reforma trabalhista não vai recuperar emprego em política econômica suicida

7 min read
0

Roseto

Na última reunião de debates da comissão especial que analisa a Reforma Trabalhista (6787/16), nesta quinta-feira (6), na Câmara, o ex-ministro do Trabalho do governo da presidenta Dilma Rousseff, Miguel Rossetto, desmontou os argumentos do governo ilegítimo de Michel Temer de que a proposta será indutora da recuperação econômica do país ao promover a geração de empregos. 

“Esta é uma agenda errada quando escolhe o mundo do trabalho como alvo prioritário para compensar o custo de uma política econômica suicida e profundamente equivocada do ponto de vista brasileiro”, disse.

Lembrou o ministro que o que impede o investidor de criar empregos no Brasil não é a legislação do trabalho. “Fosse isso, em 2014, há dois anos, não estaríamos vivenciando uma condição de quase pleno emprego com a mesma legislação trabalhista”, alegou Rossetto, se referindo ao desempenho positivo do mercado de trabalho naquele período.

“Nós encerramos 2014 com uma taxa de desemprego de 4, 5% e vivemos no final daquele ano a maior remuneração média do trabalhador brasileiro, com essa mesma legislação”, observou Miguel Rossetto.

Para o ex-ministro, a desqualificação do mundo do trabalho é insustentável para se pensar em um futuro no Brasil. “Nada autoriza uma relação de causa e efeito entre esta legislação do trabalho e a realidade do emprego. Não foi a legislação que impediu que, nos últimos 10 anos, o país tivesse crescimento da geração de emprego e melhorasse sua economia”, apontou o ex-ministro.

O deputado Wadih Damous (PT-RJ) avaliou o pronunciamento do ex-ministro Rossetto como “o mais brilhante” que aconteceu na comissão. Ele também é da mesma opinião de que não é necessário destruir a legislação do trabalho para promover o desenvolvimento econômico do país.

“Esse é o mantra que é batido e rebatido aqui. Na verdade, esse projeto promete algo que ele não pode realizar. Não é a legislação trabalhista que garante emprego, que estabelece o desenvolvimento da economia. O que estabelece isso é a política pública de desenvolvimento econômico e social”, avaliou Damous. Para ele, “os argumentos do ministro Rossetto para quem está de boa-fé, que não é o caso de boa parte da comissão, são inquestionáveis. São argumentos que você não tem outros para contrapor”, elogiou.

“O que presenciamos é que, de repente, a CLT é tratada como vilã do mercado de trabalho. Então, é um conjunto de bobagens, é manifestação de ignorância a serviço de projeto golpista”, alertou Wadih Damous.

Na mesma linha, o deputado Patrus Ananias (PT-MG) afirmou que o povo brasileiro testemunhou um governo profícuo do ex-presidente Lula, dentro da CLT. “Isso mostra que não há nenhuma incompatibilidade entre a legislação trabalhista, a CLT e a geração de emprego, trabalho e renda. Isso, depende de iniciativas econômicas, de políticas estratégicas que pensem o conjunto do país e que trabalhe as potencialidades nacionais”, sustentou.

Benildes Rodrigues
Foto: Gustavo Bezerra/PTnaCâmara

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Líderes repudiam massacre de trabalhadores

Os líderes do PT no Senado e na Câmara divulgaram nota de repúdio ao massacre de trabalhad…