Home Portal Notícias Outras notícias Pressão popular contra reforma da Previdência já reflete nos votos da base do Governo

Pressão popular contra reforma da Previdência já reflete nos votos da base do Governo

7 min read
0

Reforma previdencia contra

O deputado Pepe Vargas (PT-RS) afirmou que a pressão popular sobre os aliados do presidente ilegítimo Michel Temer, na Comissão da Reforma da Previdência (PEC 287/16), vai aumentar ainda mais à medida que “as ameaças aos direitos previdenciários dos brasileiros se tornarem mais conhecidas”. Levantamento divulgado nesta quarta-feira (1) pelo jornal Folha de S. Paulo, aponta que a reforma de Temer já desagrada parte da base aliada do governo na comissão. Segundo o jornal, 18 dos 36 integrantes da comissão especial são contra a idade mínima de 65 anos para a aposentadoria.

A idade mínima é considerada pelo governo o ponto chave da reforma, porque valeria para todos os trabalhadores e acabaria com o sistema que permite aposentadoria por tempo de contribuição.

“A posição de parte da bancada do Temer já é reflexo das reclamações que esses deputados estão ouvindo na base. E essa pressão é apenas o começo. Quando começarem mesmo as manifestações da sociedade civil e dos sindicatos, e grande parte da sociedade se conscientizar do retrocesso que significa essa reforma impopular, acredito que o desconforto dos apoiadores desse governo vai aumentar e refletir na posição deles na comissão”, disse Pepe.

O jornal aponta que, além da idade mínima, outros quatro pontos da reforma também enfrentam resistência na base do governo na comissão. O ponto mais rejeitado da proposta do governo é o que altera as regras de acesso ao Benefício de Prestação Continuada (BPC), benefício assistencial pago a idosos e pessoas com deficiência pobres.

O governo quer desvincular o benefício da política de reajuste do salário mínimo e ainda aumentar a idade mínima para o acesso dos atuais 65 para 70 anos. De acordo com a reportagem, apenas um integrante da comissão é favorável à proposta, o deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS), vice-líder do governo na Câmara.

A regra de transição para quem está mais perto da aposentadoria também desagrada a maioria dos membros da comissão. Pela proposta do governo, mulheres com no mínimo 45 anos e homens com 50 não entrariam na nova regra de idade mínima para a aposentadoria (65 anos). Nesse caso, teriam que pagar um “pedágio” de 50%, ou seja, trabalhar mais a metade do tempo que falta para se aposentarem. Sobre este ponto, apenas sete integrantes declaram apoio ao texto do governo, enquanto 26 são contrários.

Em relação à unificação das regras de aposentadoria entre homens e mulheres, apenas nove apoiam a proposta de Temer. Outros 22 parlamentares se manifestaram contra a proposta devido às diferenças que separam homens e mulheres no mercado de trabalho. “É um erro absurdo colocar as mesmas regras”, afirmou Assis Carvalho (PT-PI), membro da comissão.

Outro ponto criticado pela maioria é a nova fórmula de cálculo das aposentadorias, que obrigaria os trabalhadores a somar 49 anos de contribuição para ter direito ao benefício integral. Declaram-se contrários 25 deputados.

Tramitação- A comissão especial é a primeira etapa de tramitação da reforma da Previdência na Câmara. O relator, deputado Arthur Maia (PPS-BA), prometeu apresentar na última semana de março seu parecer, que será votado pelo colegiado e depois encaminhado ao plenário, onde a reforma precisa de, no mínimo, do apoio de 308 dos 513 deputados federais.

Héber Carvalho com informações da Folha de S. Paulo

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Boletim 550 – Comitê Popular em Defesa de Lula e da Democracia

Boletim 550 – Comitê Popular em Defesa de Lula e da Democracia Direto de Curitiba &#…