Home Portal Notícias Núcleo do PT cobra do Governo golpista continuidade do Programa Mulher, Viver sem Violência

Núcleo do PT cobra do Governo golpista continuidade do Programa Mulher, Viver sem Violência

6 min read
0

mulheres semviolencia

A Câmara dos Deputados aprovou o encaminhamento do requerimento número 2.452/2016, que questiona o Ministério da Justiça e Cidadania sobre a continuidade do Programa Mulher, Viver Sem Violência, de responsabilidade da Secretaria Especial de Políticas para Mulheres (SPM). O documento, assinado pelo Núcleo de Mulheres Parlamentares do Partido dos Trabalhadores, vai ser enviado para o ministro Alexandre de Moraes. O colegiado de deputadas é coordenado pela deputada Ana Perugini (PT-SP).

O programa foi lançado em março de 2013 pela então presidenta Dilma Rousseff, com objetivo de integrar e ampliar as políticas públicas de combate à violência contra a mulher. Com a extinção do Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos e a perda de status ministerial da SPM, efetivadas durante a reforma do governo não-eleito Michel Temer, as deputadas temem que os serviços implementados por Dilma e as obras iniciadas no seu governo deixem de receber recursos, comprometendo os serviços oferecidos a mulheres em situação de violência em todo o país.

No requerimento as deputadas do PT: Ana, Benedita da Silva (RJ), Érika Kokay (DF), Luizianne Lins (CE), Margarida Salomão (MG), Maria do Rosário (RS) e a ex-deputada Moema Gramacho – que deixou a Câmara para assumir a prefeitura de Lauro de Freitas (BA) – pedem informações sobre o andamento das ações da SPM.

“Considerando ser de extrema necessidade que a sociedade brasileira tome conhecimento das intenções do atual governo em relação ao programa, requeremos as seguintes informações: em que estágio se encontra a implantação das Casas da Mulher Brasileira que já estavam em construção no governo da presidenta Dilma? Qual a programação de construção e instalação de novas casas entre 2016 e 2017?”, questionaram.

“O Mulher, Viver Sem Violência é um programa vitorioso, que tem contribuído significativamente com a redução da violência contra a mulher no nosso país. Precisamos garantir que ele continue integrando os serviços públicos e ampliando as políticas de proteção e empoderamento das mulheres. Não podemos admitir que haja retrocessos”, avaliou Ana Perugini, coordenadora do Núcleo de Mulheres do PT, 2ª vice-presidenta da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher da Câmara dos Deputados e coordenadora-geral da Frente Parlamentar Mista em defesa dos Direitos Humanos das Mulheres.

Protocolado no final do ano passado, o documento ainda pede informações sobre a Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180, a humanização do atendimento às vítimas de violência sexual, a implantação e a manutenção dos centros de atendimento às mulheres nas regiões de fronteira seca, campanhas continuadas de conscientização, unidades móveis para atendimento a mulheres em situação de violência e sobre o Núcleo de Proteção à Mulher, anunciado em junho pelo Ministério da Justiça, mas que ainda não saiu do papel.

Assessoria Parlamentar

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

TCU determina que Ministério da Saúde apresente plano estratégico de combate à pandemia

O Tribunal de Contas da União (TCU) determinou nessa quarta-feira (21), que o Ministério d…