Home Portal Notícias Pellegrino afirma que reduzir alíquota dos royalties do pré-sal é medida absurda e antinacional

Pellegrino afirma que reduzir alíquota dos royalties do pré-sal é medida absurda e antinacional

7 min read
0

plataformap

O deputado Nelson Pellegrino (PT-BA) afirmou nesta quarta-feira (18) que qualquer proposta de redução da alíquota dos royalties do petróleo é “absurda e contrária ao interesse nacional”. A declaração deu-se após a divulgação pela imprensa na segunda-feira (16), da intenção do governo de reduzir a taxação com a justificativa de “incentivar a exploração de áreas menos interessantes”, que supostamente implicariam em um risco maior para as empresas que se manifestassem pela busca e extração de petróleo.

“Como se pode pensar em reduzir os recursos de estados e municípios produtores de petróleo justamente em um momento de crise? Esta é uma proposta lesiva ao interesse nacional porque enquanto o Estado reduz a sua arrecadação, as multinacionais estrangeiras de petróleo aumentam seus lucros. Essa ideia do governo ilegítimo e golpista de Temer é um completo absurdo”, condenou Nelson Pellegrino.

O parlamentar petista disse ainda que a adoção da medida derrubaria a justificativa dada pelo governo ilegítimo quando enviou a proposta que alterou o regime de exploração do petróleo do pré-sal. Naquela época, integrantes do governo Temer defenderam que a mudança – do modelo de partilha para o de concessão – atrairia mais empresas estrangeiras interessadas na exploração petrolífera.

Naquela ocasião, o PT e outros partidos de esquerda, assim como outros setores nacionalistas, denunciaram que a mudança do regime apenas atendia aos interesses das multinacionais do petróleo em aumentar a participação na exploração do pré-sal, em detrimento da Petrobras.

Pelo regime de partilha, instituído em 2010 durante o governo do ex-presidente Lula, a estatal brasileira, além de ser operadora única do pré-sal, também era obrigada a participar com o percentual mínimo de 30% em todos os consórcios de exploração. Já o modelo de concessão, instituído por Temer no ano passado, acaba com essa obrigatoriedade.

Reação – Uma redução da alíquota dos royalties também foi criticada por entidades que defendem a Petrobras. Na avaliação do coordenador-geral da Federação Única dos Petroleiros (FUP), José Maria Rangel (Zé Maria), a proposta governista “parece simplesmente ampliar as margens das empresas e reduzir as receitas do Estado”.

Segundo ele, para ser implementada e ter alguma efetividade, uma política desse tipo deveria exigir contrapartidas de investimentos e geração de emprego que, de certo modo, compensassem a redução de receita estatal. “Caso contrário, é simplesmente transferência direta de recurso estatal para o setor privado, tornando mais complexa a execução de políticas públicas em várias regiões pobres do país”, explicou.

Em entrevista ao site PT no Senado, o vice-presidente da Associação dos Engenheiros da Petrobras (AEPET), Fernando Siqueira, lembrou que já existe uma nova legislação (Lei 12.734/12), que estabelece em até 15% a parcela de royalties sobre o valor da produção.

Segundo ele, esse valor corresponde à compensação financeira paga pela companhia que faz a exploração de petróleo, gás e outros hidrocarbonetos. Siqueira diz que não faz sentido pensar em baixar ainda mais essa tributação, (tradicionalmente de 10%) já que ela é muito mais baixa que de outros produtores de petróleo. A Noruega, por exemplo, recebe 84%. “Estão entregando a Petrobras e o petróleo brasileiro de graça em troca de interesses particulares”, denunciou Fernando Siqueira.

Héber Carvalho com PT no Senado

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Deputados denunciam enriquecimento dos mais ricos e defendem manutenção do auxílio emergencial de R$ 600

O deputado Henrique Fontana (PT-RS) destacou na sessão virtual desta terça-feira (22) o ra…