Home Portal Notícias Resultado do golpe: de cada três desempregados no mundo em 2017, um será brasileiro

Resultado do golpe: de cada três desempregados no mundo em 2017, um será brasileiro

8 min read
0

desemprego1

O estudo “Perspectivas sociais e do emprego no mundo – Tendências de 2017”, da Organização Internacional do Trabalho (OIT), aponta que de cada três novos desempregados no mundo neste ano, um será brasileiro. A previsão é de aumento da taxa de desemprego no Brasil para 12,4%, quase 1 ponto percentual maior do que em 2016. Isso representará um total a mais de desempregados no Brasil em torno de 1 milhão e 200 mil. Os números são um feito e tanto para quem planejou, apoiou e colocou em prática um golpe para retirar do poder uma presidenta legitimamente eleita sob o argumento de que a economia precisava melhorar.

Mais indigno ainda é tentar colocar a responsabilidade por esses números na conta da presidenta Dilma Rousseff. Basta lembrar que quando ela encerrou o seu primeiro mandato, em 2014, o Brasil exibia os seus mais baixos índices de desemprego de toda a série histórica medida pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O índice de desemprego em novembro de 2014 era de 4,8% e atingiu um patamar ainda menor em dezembro, de 4,3%. Resultado: o Brasil fechou aquele ano em situação de pleno emprego (Assista à matéria do “Jornal da Globo”). De lá pra cá, o desemprego só cresceu.

Todos esses números são responsabilidade dos golpistas, porque foram eles que, aliados a Eduardo Cunha, alçado à Presidência da Câmara no início do ano de 2015, promoveram um verdadeiro boicote à presidenta Dilma. Não apenas pela instabilidade política criada a partir do avanço, a época, de um impeachment sem crime de responsabilidade, mas sobretudo por incentivarem a aprovação no Congresso de uma “pauta-bomba” com medidas para prejudicar o País e, ao mesmo tempo, impedir a aprovação daquelas propostas que eram necessárias para fazer avançar a economia. Um verdadeiro boicote ao Brasil e à democracia.

Hoje, os números apontam a cicatriz do golpe. Para os que sempre duvidaram de que não se tratava de uma ruptura democrática, a realidade deixa evidente que a intenção não era combater a corrupção, não era melhorar a saúde ou a educação, não era retomar o crescimento econômico ou fazer o número de empregos aumentar. A intenção era chegar à Presidência mesmo sem voto e impedir que um projeto respaldado pelas urnas tivesse continuidade. Ainda que sem o aval do eleitor, era preciso tomar o poder de volta, com o apoio da grande mídia, de parte de uma população insuflada pelo ódio político e de parte de um Judiciário e de um Ministério Público imbuídos do mesmo sentimento.

A consequência disso para 2017 é uma taxa de desemprego que deve chegar a 12,4% da população com idade para trabalhar, com uma possibilidade de fechar o ano com 13,6 milhões de desempregados. Com esses números, o Brasil só perderá para a China e para a Índia, países com população cinco vezes maior.

Insatisfação – Outro dado que dimensiona os efeitos nefastos do golpe diz respeito ao otimismo dos brasileiros. O País que já foi destaque lá fora pela esperança que alimenta no futuro passou a ser, sob o comando do golpista Michel Temer, um recordista em degradação social. A informação é também da OIT. O alerta da organização é que o índice de insatisfação social no Brasil é um dos que mais aumentou no ano passado.

Enquanto no mundo essa taxa subiu em média 0,7 pontos, numa escala de zero a 100, no Brasil o salto foi de 5,5. “Trata-se de um dos maiores aumentos do mundo em 2016”, confirma o economista-senior da OIT, Steven Tobin. Segundo ele, uma das formas de medir esse mal-estar social é o número de greves, manifestações de ruas e protestos. Entre 2015 e 2016, o Brasil passou de 25 pontos para 30,5, enquanto a média mundial ficou em 22 pontos.

PT na Câmara com agências

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

João Daniel denuncia que regularização fundiária proposta por Bolsonaro acentua injustiça agrária

A preocupação com a medida provisória (MP 910/19), editada esta semana pelo governo federa…