Home Portal Notícias Quase 20 anos depois de denúncia, Justiça de Minas determina bloqueio de bens do tucano Eduardo Azeredo

Quase 20 anos depois de denúncia, Justiça de Minas determina bloqueio de bens do tucano Eduardo Azeredo

5 min read
0

mensalao latuff

A Justiça de Minas Gerais determinou o bloqueio dos bens do ex-presidente nacional do PSDB e ex-governador do Estado Eduardo Azeredo em uma ação de improbidade administrativa referente ao repasse de R$ 3 milhões para agências de publicidade de Marcos Valério de Souza por meio de estatais mineiras, no chamado mensalão mineiro.

Em tempos de extrema celeridade e contundência da Justiça com denúncias  envolvendo o PT, chama a atenção a seletividade e demora dessa mesma “justiça” ao julgar casos envolvendo o PSDB. O mensalão tucano ocorreu em 1998 e o principal personagem é o ex-senador e ex-deputado Eduardo Azeredo.

No seu twiter a deputada Margarida Salomão (PT-MG) lembrou a lentidão no julgamento das denúncias envolvendo os tucanos.

Acusação – A decisão do desembargador Jair Varão, da 3.ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, está lastreada na acusação feita pela Procuradoria-Geral da República sobre o esquema de arrecadação ilegal de recursos para a campanha de reeleição de Azeredo para o governo mineiro, em 1998.

Varão atendeu a um recurso do Ministério Público Federal contra uma sentença do juiz de primeira instância Adriano de Mesquita Carneiro, da 5.ª Vara de Fazenda Pública e Autarquias que determinou o bloqueio de bens de Marcos Valério, do ex-senador e ex-vice-governador de Minas, Clésio Andrade (PMDB), e de outros oito investigados no mensalão mineiro, mas que acabou por excluir Azeredo sob a alegação de faltar “justa causa” para que o tucano fosse incluído na ação.

Em sua decisão, porém, o desembargador destacou que Azeredo foi “o maior beneficiário da campanha eleitoral”, não sendo “crível” que ele, já “ocupante do cargo de governador do Estado à época, não estava a par da origem dos recursos destinados à sua própria campanha eleitoral”.

O advogado Castellar Guimarães Neto, que defende Azeredo, afirmou que espera que no julgamento do mérito da ação os desembargadores confirmem a decisão do juiz de primeira instância que manteve o tucano fora da ação de improbidade.

Azeredo já foi condenado anteriormente a 20 anos e dez meses de prisão em ação penal do mensalão mineiro pelos crimes de peculato e lavagem de dinheiro, mas recorreu da sentença.

PT na Câmara com agências

Charge: Latuff

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Entenda o que você vai perder se MP da Carteira Verde e Amarela for aprovada

As principais centrais sindicais brasileiras lançaram uma cartilha que explica todos os di…