Home Portal Notícias R$ 937: novo salário mínimo em 2017 será menor do que o aprovado pelo Congresso

R$ 937: novo salário mínimo em 2017 será menor do que o aprovado pelo Congresso

5 min read
0

salariominimo

O salário mínimo a partir de 1º de janeiro (domingo) será de R$ 937,00. O reajuste de R$ 57 foi publicado no Diário Oficial da União desta sexta-feira (30). O valor, no entanto, é R$ 8,80 menor do que foi aprovado pelo Congresso Nacional na lei orçamentária, que tinha previsto o reajuste do salário mínimo de R$ 880,00 para R$ 945,80, com base na inflação projetada de 7,5%.

A diferença entre o valor aprovado pelos parlamentares e o definido pelo governo ilegítimo, porém, não é apenas porque a inflação de 2016 fechará em 6,74% – índice menor do que o projetado quando a proposta foi enviada ao Congresso. Além desta adequação, o governo sem voto fez outro ajuste que levou ao encolhimento do valor do novo mínimo. Ele também fez um expurgo retroativo, revelador da mesquinharia social do governo.

Trata-se de R$ 2,29, que seria, segundo o Ministério do Planejamento, “resultante da diferença entre o valor observado para o INPC em 2015 e a estimativa aplicada para o cálculo do reajuste do salário mínimo para 2016”. Ou seja, o salário mínimo do ano que está acabando, fixado ainda pelo governo Dilma Rousseff, teria ficado R$ 2,29 maior do que o devido e agora o governo Temer cobra a diferença.

“Pode ser legal mas é altamente anti-social valer-se de um suposto erro de cálculo passado, de exercício já findo, para dar uma ‘garfadinha’ no rendimento dos mais pobres entre os mais pobres, os trabalhadores e os aposentados que recebem apenas um salário-mínimo”, escreveu a jornalista Tereza Cruvinel, na sua coluna desta sexta-feira (30) no portal Brasil 247.

A lei em vigor que trata da política de correção do salário mínimo, fixada pelo governo Lula, e que garantiu o maior crescimento real do salário-mínimo desde sua criação, diz que a correção deve levar em conta a inflação e o crescimento do PIB no ano anterior. Como estamos numa recessão, com crescimento negativo, prevalece apenas a correção pela inflação. Ou seja, nada de crescimento real. “Também por isso são os mais pobres que estão pagando mais pela recessão de Temer e Meirelles”, reforçou Cruvinel.

PT na Câmara, com Brasil 247

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Petistas questionam no Ministério Público transferência do acervo da Fundação Palmares para prédio com avarias

Parlamentares da Bancada do PT na Câmara entraram com ações na Procuradoria-Geral da Repúb…