Home Portal Notícias Juiz que autorizou tortura contra estudantes no DF será denunciado por parlamentares ao CNJ

Juiz que autorizou tortura contra estudantes no DF será denunciado por parlamentares ao CNJ

6 min read
0

pimenta erika

A deputada Erika Kokay (PT-DF) e o deputado Paulo Pimenta (PT-RS), integrantes da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara, vão entregar à presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministra Cármen Lúcia, representação contra o Juiz Alex Costa de Oliveira, da Vara da Infância e Juventude do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT), por ter autorizado a utilização de técnicas de tortura contra estudantes em mandado de reintegração de posse do Centro de Ensino Asa Branca (CEMAB), localizado em Taguatinga (DF).

No mandado, o juiz autorizou expressamente a Polícia Militar do DF a utilizar meios de “restrição à habitabilidade” da escola, com objetivo de convencer os estudantes a desocupar o local. Entre as técnicas estão cortes do fornecimento de água, luz e gás; a restrição do acesso de familiares e amigos; o impedimento da entrada de alimentos; e até a utilização de “instrumentos sonoros contínuos, direcionados ao local de ocupação, para impedir o período de sono”, dos adolescentes. O magistrado pede, ainda, a identificação de todos os ocupantes e que a PM observe uma eventual prática de corrupção de menores no local.

De acordo com a representação dos parlamentares, o movimento de ocupação dos estabelecimentos de ensino tem caráter reivindicatório e é uma expressão da democracia e dos direitos humanos. Diz, ainda, que os estudantes exercem seu direito de participação na política, previsto na Constituição Federal e assegurado pelo Pacto Internacional de Direitos Civis e Políticos, pela Convenção Americana de Direitos Humanos e pelo Estatuto da Criança e do Adolescente.

“O conteúdo das reivindicações dos estudantes é, igualmente, pela efetivação dos direitos humanos, econômicos e sociais. Lutar contra a medida provisória que reformulou de forma autocrática o ensino médio, contra a PEC 241 e pelo direito à educação é lutar contra o desmonte do programa constitucional estabelecido em 1988”, afirmam os parlamentares no texto.

A representação sustenta que nem a conduta dos estudantes é ato infracional análogo ao esbulho nem a conduta dos adultos se configura como corrupção de menores. Segundo os parlamentares, trata-se de tentativa ilegítima de criminalizar o movimento social e as reivindicações de caráter político.

Para os parlamentares, a decisão do juiz estimula a tortura, pois a Lei 9.455/97 estabelece define como prática de tortura “submeter alguém, sob sua guarda, poder ou autoridade, com emprego de violência ou grave ameaça, a intenso sofrimento físico ou mental, como forma de aplicar castigo pessoal ou medida de caráter preventivo”.

Erika e Pimenta dizem que a decisão é ainda mais grave por se tratar de tortura contra adolescentes, violando severamente o princípio da proteção integral, previsto no artigo 227 da Constituição.

Assessoria Parlamentar

Foto: Fabricio_Carbonel

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Líderes repudiam massacre de trabalhadores

Os líderes do PT no Senado e na Câmara divulgaram nota de repúdio ao massacre de trabalhad…