Home Portal Notícias Base do Governo ilegítimo adota “rolo compressor” para aprovar PEC 241 sem debate com sociedade

Base do Governo ilegítimo adota “rolo compressor” para aprovar PEC 241 sem debate com sociedade

15 min read
0

Pec24104102016

A base de apoio do governo sem voto mostrou nesta terça-feira (4) que está disposta a usar o rolo compressor para aprovar sem maiores debates a proposta de emenda à Constituição (PEC 241/16), conhecida como “PEC da Maldade”, que limita os gastos públicos do País por 20 anos, prejudicando principalmente os setores da saúde, educação e assistência. “É uma temeridade querer votar a toque de caixa uma proposta que prejudica brutalmente a saúde e a educação e que é uma sentença de morte para a área social, afirmou o deputado Patrus Ananias (PT-MG), coordenador da Bancada do PT na comissão que analisa a matéria. 

Uma audiência pública que estava prevista para esta terça-feira foi cancelada, os argumentos dos partidos de esquerda foram ignorados e o relator, deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS), apresentou seu parecer a favor da proposta que congela os investimentos públicos. O texto só não foi apreciado porque houve pedido de vistas coletivo. Com isso, a votação ficou para a próxima quinta-feira (6). E, para alertar o Parlamento e a sociedade sobre as graves consequências da PEC para o futuro do País, lideranças do PT, PCdoB, PDT, PSol e Minoria realizam ato público contra a proposta nesta quarta-feira (5), das 10 às 13h, no auditório Nereu Ramos, da Câmara.

Desmonte – Antes da leitura do parecer da “PEC da Maldade”, Patrus Ananias elencou uma série de prejuízos e retrocessos que virão se a proposta for aprovada. “É o desmonte da rede de proteção social. O governo sem voto, com uma canetada só, destrói a política de inclusão que acabou com a fome no País. Será o fim do Bolsa Família, dos benefícios de prestação continuada (BPC), que garante salário para idosos e pessoas com deficiência que não podem trabalhar, vai aumentar o desemprego e a fome vai voltar. Essa PEC é contra o projeto nacional, é contra os pobres, é um golpe contra o Brasil”, desabafou.

O deputado Henrique Fontana (PT-RS) também defendeu mais debate antes da votação da proposta que trata do futuro econômico e social do País. “Se o governo ilegítimo e sem voto acha a proposta assim tão boa porque foge do debate? Porque tem medo?”. A resposta, segundo o próprio Fontana, é porque o governo sabe que a partir do momento em que as pessoas começarem a compreender que com o limite de gastos públicos vai aumentar a pobreza e a desigualdade, vai aumentar o desemprego, além de prejudicar as áreas de saúde e educação, ficarão contra a proposta.

Fontana destacou que nenhum país do mundo adotou um congelamento dos gastos públicos por 20 anos. Ele enfatizou que o Brasil não é uma Suécia, país onde a saúde e a educação alcançaram patamares de excelência. “Infelizmente aqui a desigualdade social é enorme e com este congelamento proposto, vai ampliar ainda mais essa desigualdade. Até porque com esse limite de gasto nenhum novo hospital, nenhuma nova escola poderá ser construída”, alertou.

O deputado do PT gaúcho disse que os partidos de esquerda não são contra o equilíbrio fiscal. “Somos a favor do equilíbrio das contas, mas é preciso que haja também equilíbrio social, que haja investimentos públicos para proteger setores vulneráveis, para preservar as conquistas sociais”. E lamentou que o “governo golpista e sem voto priorize o mercado financeiro, que não terá limite de recursos orçamentários, e restringe o dinheiro para saúde, educação, segurança, habitação, assistência social, saneamento e infraestrutura”.

O deputado Enio Verri (PT-PR) também criticou a nova política fiscal proposta pelo governo Temer. “Esse limite de gastos por 20 anos compromete o futuro do País e ataca direitos sociais dos trabalhadores. “É um crime contra o povo brasileiro”, sintetizou.

Mandato de segurança – A líder da Minoria na Câmara, deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) anunciou que irá ao Supremo Tribunal Federal (STF) nesta semana para ingressar com um pedido de mandato de segurança contra a tramitação da PEC 241. “Vamos entrar com um mandato de segurança contra a PEC, que viola cláusula pétrea da Constituição. Essa PEC viola o direito de cinco governos à frente decidirem sua política econômica, anula a capacidade do Congresso de mudar o Orçamento e atinge os pisos constitucionais em vigor para a saúde e a educação”, argumentou a deputada.

Parecer – O parecer da “PEC da Maldade” prevê que o limite de despesas para 2017, ano em que a regra começa a valer, será calculado a partir da despesa primária de 2016, incluídos os restos a pagar pagos, corrigida em 7,2%. Para o teto a partir de 2018, ficou mantida a regra baseada no valor do exercício anterior corrigido pela variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), calculado entre julho de um ano e junho do ano seguinte.

Para saúde e educação, para 2017, fica mantido o formato atual de correção, com base na receita corrente líquida. A correção pela inflação entrará em vigor, se a PEC 241 for aprovada, só em 2018.

Foi mantido o prazo de 20 anos de vigência do novo regime fiscal e a previsão de que, a partir do décimo exercício de vigência da nova regra, seja possível alterar o cálculo de correção para definir o limite para despesas primárias. Para minimizar críticas, o relator incluiu uma pequena mudança no texto da proposta, prevendo que, a partir do décimo ano, o indexador poderá ser corrigido a cada mandato presidencial, ou seja, a cada quatro anos, conforme o período eleitoral. Antes, o texto só previa uma oportunidade de correção.

O relator mudou também a forma como se dará essa mudança, que passará a ser por lei complementar, que exige quórum qualificado, e não projeto de lei, como previa o texto original.

DRU – O relator também vinculou a vigência da Desvinculação de Receitas da União (DRU) à da proposta. Com isso, a DRU que tem vigência aprovada até 2023, valeria até 2036. Essa desvinculação permite o remanejamento de até 30% de recursos provenientes de arrecadação, relativa às contribuições sociais, sem prejuízo do pagamento das despesas da Previdência Social, às contribuições de intervenção no domínio econômico e às taxas, já instituídas ou que vierem a ser criadas até a referida data.

Vânia Rodrigues
Foto: Gustavo Bezerra/PTnaCâmara

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Líderes repudiam massacre de trabalhadores

Os líderes do PT no Senado e na Câmara divulgaram nota de repúdio ao massacre de trabalhad…