Home Portal Notícias Imprensa internacional destaca fragilidade das acusações que cassaram Dilma e cita “buraco negro” no Brasil

Imprensa internacional destaca fragilidade das acusações que cassaram Dilma e cita “buraco negro” no Brasil

8 min read
0

mundo diz egolpe

A imprensa internacional repercute intensamente desde quarta-feira (31) o golpe parlamentar travestido de processo de impeachment que culminou com a saída definitiva de Dilma Rousseff da presidência da República. Vários veículos de comunicação destacaram a fragilidade das alegações que motivaram o afastamento e a falta de estatura moral do novo presidente, e dos acusadores da agora ex-presidenta Dilma.

Até veículos de imprensa notadamente conservadores e críticos a governos de esquerda, como o jornal argentino “Clarín”, destacaram as falhas ocorridas durante o processo de impeachment. O jornal lembrou que este é o segundo impeachment na história recente do país, e observou que as razões para os dois processos foram diferentes.

No caso de Dilma, disse o jornal, as razões “se baseiam em supostas irregularidades fiscais que, de acordo com sua defesa, não foram provadas”, enquanto no caso do ex-presidente Fernando Collor de Mello “a história foi muito diferente; sua saída obedeceu às acusações de corrupção que pesaram sobre ele”.

Um artigo do editor de política internacional do “Clarin”, Marcelo Cantelmi, afirmou que o Brasil caminha para um “buraco negro” ao “contornar as eleições”.

“O erro institucional de ter tirado Rousseff à força deste modo e o precedente inquietante de fragilidade democrática que derrama sobre a região têm um só agravante. O de não ter aprofundado o caminho para convocar eleições antecipadas, que elegeriam um governo eleito para pilotar uma tempestade que não terminará amanhã e se agravará inevitavelmente”, concluiu.

O jornal britânico “The Guardian” lembrou que Dilma enfrentou por mais de 10 meses esforços para seu impedimento por fornecer previamente fundos a programas sociais e por emitir decretos orçamentários sem a aprovação do Congresso antes de sua reeleição, em 2014.

“A oposição alegou que isso constituía um ‘crime de responsabilidade’. Rousseff nega e alega que as acusações – que nunca foram feitas a administrações anteriores que fizeram a mesma coisa – foram forjadas pelos adversários que eram incapazes de aceitar a vitória do Partido dos Trabalhadores”, disse a reportagem.

Ao também estampar a crise política brasileira, o jornal espanhol “El País” destacou que o afastamento definitivo de Dilma Rousseff ocorreu graças a fatores políticos e não jurídicos.

“No fundo, o impeachment sempre foi político”, afirmou o jornal, ressaltando o papel desempenhado pelo ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha, durante todo o processo.

Em sua edição americana, o “The Guardian” também informou que a decisão do Senado fará com que Dilma Rousseff seja substituída pelos restantes dois anos e três meses de seu mandato pelo golpista Michel Temer, “um político de centro-direita, que estava entre os líderes da conspiração contra sua ex-companheira de chapa”.

Já a revista alemã “Der Spiegel”, publicou reportagem sobre a ascensão de Temer ao poder com o seguinte título: “O homem das sombras assume”. A revista também observou que o golpista do PMDB, “conduzirá o país com um programa de governo liberal-conservador até as próximas eleições em 2018”.

Falsos moralistas- O periódico argentino “Clarín” criticou a falta de autoridade moral dos acusadores de Dilma. Em um dos vários textos publicados sobre o afastamento definitivo, o jornal disse que “não deixa de ser curioso que o Congresso tenha afastado Dilma Rousseff enquanto um político acusado diretamente de corrupção pelo Supremo Tribunal Federal ainda sobrevive no cargo de deputado.

Trata-se de Eduardo Cunha”, comentou.
Já o “The Guardian” lembrou que a primeira mulher a exercer o cargo de presidente do Brasil foi tirada do poder “pelo Senado manchado de corrupção após um processo exaustivo”.

PT na Câmara com agências

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Jorge Solla: Governo Bolsonaro completa um ano sem cumprir suas principais promessas de campanha

O deputado Jorge Solla (PT-BA) descreveu, no plenário da Câmara dos Deputados, nesta quint…