Home Portal Notícias Comissão Interamericana de Direitos Humanos da OEA pode se manifestar esta semana sobre golpe no Brasil, analisam petistas

Comissão Interamericana de Direitos Humanos da OEA pode se manifestar esta semana sobre golpe no Brasil, analisam petistas

8 min read
0

Pteixeira Pimenta Wadih

O deputado Paulo Teixeira (PT-SP) manifestou nesta segunda-feira (29) a expectativa de que a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) da Organização dos Estados Americanos (OEA) paute ainda para esta semana o recurso apresentado àquele colegiado por parlamentares brasileiros denunciando o golpe em curso no Brasil. Os signatários do documento solicitaram a “suspensão da totalidade do processo enquanto se analisa a petição”. Além de Teixeira, assinaram o documento os deputados petistas Paulo Pimenta (RS) e Wadih Damous (RJ) e o senador Telmário Mota (PDT-RR).

Além da suspensão do processo de impeachment, o pedido de liminar, protocolado em 9 de agosto, em Washington, nos Estados Unidos, também solicita “a restituição da vítima ao seu cargo” e, como consequência, “a suspensão do trâmite do processo no Senado até que se demonstre à CIDH e aos peticionantes e vítimas que o processo será conduzido em cumprimento a todas as garantias estabelecidas na Convenção Americana de Direitos Humanos (CADH), incluindo a nulidade das etapas transcorridas nas quais foram violados os padrões do Sistema Interamericano de Direitos Humanos (SIDH)”.,

“Esperamos que a OEA paute o nosso recurso esta semana e dê uma liminar contra o golpe. Protocolamos uma petição demonstrando que não há crime, não há previsão legal para essa conduta, já que a presidenta Dilma Rousseff sequer responde a processo criminal no Brasil. Mostramos que as irregularidades na tramitação do processo são tamanhas que ele precisa ser interrompido. E, como o Brasil faz parte do Sistema Interamericano de Direitos Humanos, pedimos para a OEA se posicionar e suspender o golpe. Espero que ela paute lá no México essa votação”, justificou Paulo Teixeira.

O deputado Wadih Damous também revelou a mesma expectativa. “O Brasil é signatário de um tratado internacional, que é o Pacto San José da Costa Rica. O que está acontecendo aqui é uma absoluta inobservância, um absoluto desrespeito a uma série de postulados previstos no próprio tratado e no nosso ordenamento jurídico-constitucional. Foi correta [a iniciativa do recurso], e tenho certeza de que a Comissão Interamericana de Direitos Humanos vai conceder uma medida liminar suspendendo esse processo”.

Tratado – A Convenção Americana de Direitos Humanos, que tem quase 45 anos, é também chamada de Pacto de San José da Costa Rica e foi assinada em 22 de novembro de 1969, na cidade de San José, na Costa Rica, sendo ratificada pelo Brasil em setembro de 1992. A convenção internacional procura consolidar entre os países americanos um regime de liberdade pessoal e de justiça social, fundado no respeito aos direitos humanos essenciais, independentemente do país onde a pessoa resida ou tenha nascido.

O pacto baseia-se na Declaração Universal dos Direitos Humanos, que compreende o ideal do ser humano livre, isento do temor e da miséria e sob condições que lhe permitam gozar dos seus direitos econômicos, sociais e culturais, bem como dos seus direitos civis e políticos.

O documento é composto por 81 artigos, incluindo as disposições transitórias, que estabelecem os direitos fundamentais da pessoa humana, como o direito à vida, à liberdade, à dignidade, à integridade pessoal e moral, à educação, entre outros. A convenção proíbe a escravidão e a servidão humana, trata das garantias judiciais, da liberdade de consciência e religião, de pensamento e expressão, bem como da liberdade de associação e da proteção a família.

A partir da promulgação da Emenda Constitucional 45/2004 (Reforma do Judiciário), os tratados relativos aos direitos humanos passaram a vigorar de imediato e a ser equiparados às normas constitucionais, devendo ser aprovados em dois turnos, por pelo menos três quintos dos votos na Câmara dos Deputados e no Senado Federal. O primeiro deles a ser recebido como norma constitucional a partir da EC 45 foi a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, voltada para a inclusão social dessas pessoas e a adaptabilidade dos espaços.

PT na Câmara

Foto: Gustavo Bezerra
Mais fotos: www.flickr.com/photos/ptnacamara

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Projeto susta ato do Executivo que reclassifica nível de toxicidade de agrotóxicos

O Projeto de Decreto Legislativo 616/19 pretende tornar sem efeito o ato do Ministério da …