Home Portal Notícias PT vai manter obstrução para impedir aprovação de projeto que retira direitos dos trabalhadores, diz líder Florence

PT vai manter obstrução para impedir aprovação de projeto que retira direitos dos trabalhadores, diz líder Florence

13 min read
0

afonso gustavo 16 02 16

O Partido dos Trabalhadores não vai votar nenhuma proposta que retire direitos dos trabalhadores ou precarize o serviço público no âmbito estadual do Brasil. A afirmação é do líder da Bancada do PT, deputado Afonso Florence (BA), que usou a tribuna da Câmara nesta terça-feira (2) para confirmar que o partido manterá a obstrução para impedir a votação do PLP 257/16, que trata da renegociação da dívida dos estados, cobrando como contrapartida medidas de restrição fiscal vinculadas, em particular, a despesas com pessoal. “Vamos manter a obstrução, vamos votar contra. Destacaremos todos os pontos que significam perda de direitos para os trabalhadores do serviço público estadual” reforçou.

Na avaliação do líder Florence, o governo Temer piorou o texto do PLP 257, enviada ao Congresso ainda pelo governo Dilma. “E piorou não só porque o governo Temer é ilegítimo. Não só porque é oriundo de um golpe e desrespeita o voto popular, mas porque, estabelece, nessa última versão – lida nesta segunda-feira pelo deputado Esperidião Amin – no art. 4º, a obrigatoriedade de que, para renegociar as dívidas, é obrigatório que o estado estabeleça limite de crescimento das despesas primárias”. Para Florence, com essa terminologia “bonitinha”, está sendo dito que será cortado salário de servidor, que será reduzido o dinheiro para a educação e para a saúde.

Afonso Florence fez questão de explicar que, quando o PLP 257 chegou ao Congresso, a Bancada do PT apresentou uma emenda aglutinativa global para retirar do texto tudo o que podia significar, mesmo que fosse remotamente, arrocho salarial para os servidores. “No entanto, o governo Temer piorou, e muito, a proposta, com ênfase no arrocho para os servidores públicos estaduais. Limitar o crescimento da despesa primária e, por exemplo, não limitar o endividamento é dizer aqui que se pode contrair empréstimo, pode-se aumentar a dívida, mas não se pode reajustar carreiras de serviço público fundamentais, como as da saúde, da educação, da Defensoria Pública, do Ministério Público”, criticou.

Portanto, continou o líder do PT, esse PLP 257, na versão Temer, conseguiu ser pior do que o da versão Dilma. E não nos surpreende, porque, a despeito de no governo Dilma ter havido um governo de coalisão, que trouxe um projeto ruim ao qual o PT se opôs, o governo Temer está composto de golpistas. Desrespeitaram o voto popular e agora querem tirar a possibilidade de ampliação da oferta de serviços públicos e da constituição de carreiras bem remuneradas para prestar serviço público de qualidade”.

Sem acordo no plenário e com a grande maioria dos parlamentares se posicionando contra a proposta, a apreciação do PLP 257 foi adiada para a próxima semana, frustrando a intenção do governo Temer, com o apoio do novo presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que queria aprovar a proposta ainda nesta terça-feira.

Cassação de Cunha – O líder do PT cobrou também do presidente Maia a votação do pedido de cassação do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Florence enfatiza que a apreciação do processo contra Cunha foi cobrado no Colégio de Líderes e em plenário por diversos parlamentares. “Tem que marcar a data da apreciação do relatório do Conselho de Ética, que indica a cassação do deputado Eduardo Cunha. Isso não pode ser postergado, a pretexto de que tem que ter quórum. O quórum é responsabilidade dos deputados e das deputadas, não do presidente”, afirmou.

Na avaliação do líder, nessa retomada dos trabalhos legislativos, o novo presidente da Câmara começa mal. “Ele, além de não pautar o processo de cassação, colocou na pauta de votação o PLP 257 e anunciou para próxima semana a apreciação do relatório da comissão do pré-sal (PL 4567/16). Uma proposta do governo Temer, PSDB, DEM, PMDB, na qual o lucro do pré-sal não irá mais para a saúde e para a educação do povo brasileiro. O lucro vai para as multinacionais. Portanto, começamos mal esse período legislativo da presidência de Rodrigo Maia”, finaliza Florence.

Vânia Rodrigues

Foto: Gustavo Bezerra/PTNACÂMARA

Ouça o Líder Afonso Florence na Rádio PT

” bg=”dd1a22″ leftbg=”dd1a22″ lefticon=”294781″ track=”ff1b2c” tracker=”ffff00″ text=”000000″ righticon=”294781″ width=”300″ rightbg=”408080″ volslider=”ffffff” skip=”ffffff”]” bg=”dd1a22″ leftbg=”dd1a22″ lefticon=”294781″ track=”ff1b2c” tracker=”ffff00″ text=”000000″ righticon=”294781″ width=”300″ rightbg=”408080″ volslider=”ffffff” skip=”ffffff”]

Ouça o Deputado Léo de Brito na Rádio PT

” bg=”dd1a22″ leftbg=”dd1a22″ lefticon=”294781″ track=”ff1b2c” tracker=”ffff00″ text=”000000″ righticon=”294781″ width=”300″ rightbg=”408080″ volslider=”ffffff” skip=”ffffff”]” bg=”dd1a22″ leftbg=”dd1a22″ lefticon=”294781″ track=”ff1b2c” tracker=”ffff00″ text=”000000″ righticon=”294781″ width=”300″ rightbg=”408080″ volslider=”ffffff” skip=”ffffff”]

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Líderes repudiam massacre de trabalhadores

Os líderes do PT no Senado e na Câmara divulgaram nota de repúdio ao massacre de trabalhad…