Home Portal Notícias Instalado processo contra Bolsonaro no Conselho de Ética; petista pode relatar o caso

Instalado processo contra Bolsonaro no Conselho de Ética; petista pode relatar o caso

3 min read
0

ConselhoEtica ZecaR

Os deputados petistas Zé Geraldo (PA) e Valmir Prascidelli (SP) estão na lista tríplice escolhida por sorteio nesta terça-feira (28), no Conselho de Ética da Câmara, para relatar o processo de cassação contra o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ). O outro escolhido é o deputado Wellington Roberto (PR-PB).  O Conselho de Ética instalou nesta terça-feira o processo 06/16, referente à representação 07/16 do Partido Verde, que pede a cassação de Bolsonaro por quebra de decoro parlamentar.

Na ação, o deputado do Partido Social Cristão é acusado de apologia ao crime de tortura durante a votação de abertura do processo de impeachment da presidenta eleita Dilma Rousseff, em abril. Na ocasião, ao votar favoravelmente ao processo, Bolsonaro disse que o fazia “pela memória do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, o pavor de Dilma Rousseff”. Ustra comandou o DOI-Codi (órgão de repressão política) entre 1970-1974, e em 2008 foi o primeiro militar a ser reconhecido pela justiça brasileira como torturador durante o período da ditadura militar.

“Se eu for o escolhido, trabalharei com toda isenção no sentido de analisar os fatos e confeccionar um relatório que possa auxiliar os membros do colegiado. Estou preparado para essa tarefa”, anunciou Zé Geraldo. O deputado Prascidelli não foi encontrado para comentar a decisão.  

Após o sorteio dos possíveis relatores da ação, o presidente do Conselho de Ética, deputado José Carlos Bacelar (PR-BA), disse que irá conversar com os integrantes da lista tríplice para saber da disponibilidade para relatar o processo. Segundo Bacelar, a decisão será anunciada por ele na próxima reunião do Conselho de Ética, marcada para  quarta-feira (6 de julho), as 14h30, em plenário a definir.

Héber Carvalho

Foto: Zeca Ribeiro

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Rogério Correia e Malu Ribeiro, da Fundação SOS Mata Atlântica, analisam crime de Brumadinho